Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

São Paulo

São Paulo » Marta chama de 'engodo populista' projeto de Haddad

São Paulo

Reprodução

Marta chama de 'engodo populista' projeto de Haddad

Provável adversária do prefeito na disputa pela Prefeitura em outubro, senadora criticou proposta de eleições para subprefeitos

0

Juliana Diógenes,
O Estado de S. Paulo

07 Janeiro 2016 | 11h53

Atualizado às 15h18

SÃO PAULO - A senadora Marta Suplicy (PMDB) e provável candidata peemedebista na disputa municipal de São Paulo usou as redes sociais nesta quinta-feira, 7, para criticar o projeto de lei do prefeito Fernando Haddad (PT), que institui eleições diretas para a escolha dos 32 subprefeitos paulistanos. Marta afirmou que é a proposta é um "engodo populista".

Na sua conta oficial do Twitter, Marta disse que é "absolutamente contra" o modelo apresentado por Haddad. Para a senadora, o prefeito comete um "equívoco". Em um vídeo, ela explica por que é contra o projeto do petista. "Parece que você está democratizando, mas não é assim que funciona a democracia", disse.

 

Marta discorda totalmente de Haddad sobre as eleições diretas para as Sub-prefeituras da capital paulista. "Sou absolutamente contra. Acho um equívoco, um engodo populista. Não é assim que funciona a democracia". Veja: Publicado por Marta Senadora em Quinta, 7 de janeiro de 2016

De acordo com o projeto de lei de Haddad protocolado nesta quarta-feira, 6, na Câmara Municipal, os candidatos devem ser obrigatoriamente filiados a partidos políticos, residentes nas respectivas regiões das subprefeituras e não podem ocupar cargos comissionados. O mandato é de quatro anos. A aprovação deve enfrentar resistências no Legislativo.

Haddad não vê problemas na possibilidade de o subprefeito ser de um partido diferente do prefeito. "Pode ter atrito? Pode. O que você chama de atrito, eu chamo de participação", afirmou.

O texto enviado pela Prefeitura não especifica como será o financiamento das campanhas eleitorais nem o cronograma das eleições. Segundo Haddad, esses aspectos serão regulamentados em um segundo momento, por decreto. 

O ideal, conforme o prefeito, é que a escolha dos subprefeitos aconteça em sincronia com a eleição para prefeito e vereadores, em 2 de outubro. A definição vai depender de uma consulta de viabilidade ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE). 

No vídeo, a senadora defende que a eleição de um chefe do Executivo inclui a escolha de um programa de partido. "Este programa de partido é que o subprefeito tem que realmente ajudar o prefeito a concretizar. Ele (subprefeito) tem que ser uma pessoa de absoluta confiança do prefeito para que ele (prefeito) possa executar o programa partidário", destacou.

Marta diz que, embora cada região tenha sua especificidade, seu "probleminha", o subprefeito é um cargo de confiança e, portanto, será cobrada pelo prefeito e terá recursos, o que "hoje não tem". 

"Ao mesmo tempo em que você nomeia o subprefeito, você dá recurso suficiente para ele poder fazer o seu trabalho. Hoje você não tem nem uma coisa, nem outra", afirmou. "Essa coisa de deixar a população votar no subprefeito e depois não dão um tostão para o subprefeito trabalhar é piada."

Procurada pelo Estado, a Prefeitura de São Paulo não comentou a declaração de Marta.

Projeto de lei. De acordo com Haddad, os objetivos são incentivar o debate sobre os problemas de cada bairro, geralmente ofuscado pelas questões municipais nas eleições, e aproximar as subprefeituras dos moradores, nomeando administradores conhecidos da população local. 

"As subprefeituras têm de ter lideranças locais fortes, empoderadas e conhecidas da população", justificou o prefeito. "Hoje (o subprefeito) não se firma, não cria identidade, não vive as entranhas do bairro."

Especialistas em Direito eleitoral apontam possíveis entraves no projeto de lei. Um deles é quanto à possível divergência entre o local em que se vota e o bairro de residência. Além disso, o projeto prevê o voto facultativo, enquanto nas eleições o sufrágio é obrigatório. Isso impossibilitaria a realização de eleições sincronizadas, ao exigir dois sistemas diferenciados.

Câmara Municipal. Vereadores da base aliada e da oposição ouvidos pelo Estado fizeram críticas ao projeto. José Américo, atual secretário municipal de Relações Governamentais e presidente da Câmara até 2013, disse que já procurou vereadores em busca de apoio ao projeto de Haddad. "Tenho conversado com vereadores que são simpáticos à ideia. Mas alguns têm dúvidas", admitiu. 

Segundo Adilson Amadeu (PDT), o projeto tem "zero chance" de ser aprovado ainda na atual gestão. "Isso não vai dar certo. E não existe chance de passar", afirmou.

Para Amadeu, as 32 subprefeituras estão "sem estrutura nenhuma" e deveriam ser administradas pela iniciativa privada. "Dá para um consórcio administrar, que vai fazer melhor para o bairro. Aí acaba com a bagunça", disse. 

De acordo com o vereador Andrea Matarazzo (PSDB), que foi subprefeito da Sé na gestão José Serra, também tucano, a proposta é um "factoide" que tem como objetivo criar uma cortina de fumaça para os problemas da gestão de Haddad. 

"É uma forma de querer justificar a inépcia. Em vez disso, o prefeito deveria escolher melhor os subprefeitos, dar autonomia de verdade e cobrar resultados. É uma ideia sem pé nem cabeça, uma manobra diversionista", afirmou. "Imagine o custo disso para a cidade de São Paulo", completou o tucano. 

Em conversas reservadas, até vereadores de partidos que integram a base aliada na Câmara contestam a ideia. Para eles, Haddad tenta, com a medida, justificar a política de reduções orçamentárias, centralização de recursos e corte de prerrogativas das subprefeituras nos últimos anos. 

Tanto para a oposição quanto para aliados, a aprovação do projeto na Câmara será muito difícil. "Isso não passa de jeito nenhum", disse Matarazzo.

O vereador Paulo Fiorilo, presidente do diretório municipal do PT, defende que a discussão vá além do método de escolha dos subprefeitos. "É preciso discutir, além da eleição, quais serão exatamente as funções das subprefeituras", disse ele.

 

Leia a íntegra do projeto de lei

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.