1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Manicure é sequestrada, torturada e morta após suposto roubo de dinheiro

Laura Maia de Castro e Mônica Reolom - O Estado de S. Paulo

12 Maio 2014 | 13h 43

Vídeo entregue à Polícia Civil mostra Ane Kelly Santos, de 26 anos, sendo torturada por três horas, por quatro pessoas; três acusados foram presos em Barueri

Atualizada às 21h46

SÃO PAULO - A manicure Ane Kelly Santos, de 26 anos, foi sequestrada, torturada por quatro pessoas e assassinada em Barueri, na Grande São Paulo, porque furtou R$ 27 mil de um bandido da vizinhança, segundo a Polícia Civil. Três suspeitos foram presos e um adolescente está sendo procurado. Eles foram identificados em um vídeo que mostra Ane sendo torturada durante três horas. Mãe de cinco filhos, ela estava desaparecida desde 24 de abril, data do crime.

Segundo o delegado Itagiba Franco, titular da Divisão de Homicídios do Departamento de Homicídio e de Proteção à Pessoa (DHPP), Jacson Nunes Pereira, de 21 anos, guardava R$ 27 mil em casa. Ele mesmo confessou que o dinheiro é proveniente de roubos de motos e carros e de máquinas caça-níqueis. Pereira começou a perceber, no entanto, que a quantia estava diminuindo nos últimos tempos.

Pereira desconfiava de três pessoas: de sua namorada, Renata Fonseca da Silva, de 27 anos; de seu amigo Valmir Lima de Oliveira, também de 27; e de Ane Kelly, a vizinha manicure que fazia faxinas esporádicas em sua casa. A manicure, no entanto, era sua principal "suspeita". Pereira notou que, nas últimas semanas, Ane Kelly fazia compras incompatíveis com sua renda, como uma televisão. Em depoimento, Pereira afirmou que ela roubou todo o dinheiro que ele guardava. "A gente trabalha para conseguir as coisas", disse, em depoimento.

A primeira informação divulgada pela polícia era que a manicure havia sido linchada por roubar alimentos.

Tortura. Pereira levou os três para um barraco usado por usuários de droga da região. A ideia era matar todos que estivessem envolvidos no roubo. Na primeira coronhada, a manicure teria confessado. Então, Pereira, seu amigo, a namorada e um adolescente que estava usando drogas no local tentaram enforcá-la, furaram um de seus olhos com um garfo, a queimaram, atiraram com um revólver em seu pé e martelaram o dedão de um dos pés. Depois, jogaram sal nos ferimentos.

"O vídeo é de uma selvageria e maldade tão grandes que é difícil suportar que um ser humano faça isso com outro", disse o delegado Franco. "Ele (Pereira) disse que ficou ainda mais irritado com Kelly porque ela não chorou durante a tortura. Ela apenas pediu para que não a matassem."

A manicure foi levada até uma vala que Pereira teria cavado antecipadamente. No vídeo, ela deita dentro da cova e Renata diz que a moça ainda está viva. Um dos suspeitos, então, bate com uma enxada na manicure, que é enterrada em seguida. A polícia aguarda exames para saber se ela foi enterrada viva.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo