Mais doze corpos de vítimas do Voo 447 chegam a Noronha

Comando militar brasileiro estipula pela primeira vez prazo para as buscas; trabalhos devem seguir até o dia 19

11 Junho 2009 | 08h13

Doze dos 25 corpos de vítimas do Voo 447 chegaram nesta quinta-feira, 11, a Fernando de Noronha. Agora, eles passarão pelo processo de pré-identificação na estrutura montada no hangar do Destacamento Militar. Depois, serão enviados ao Instituto Médico Legal de Recife, em Pernambuco. Na noite de quarta-feira, os primeiro dezesseis corpos resgatados chegaram a Recife. Comando militar brasileiro estipula pela primeira vez prazo para as buscas e trabalhos devem seguir até o dia 19.

 

Veja também:

lista Todas as notícias sobre o Voo 447

videoSubmarino francês no resgate à caixa-preta

video Vídeo: Operação de resgate

especialEspecial: Os desaparecidos do voo 447

especial Especial: Passo a passo do voo 447

mais imagens Galeria de fotos: buscas do Voo 447

mais imagens Galeria de fotos: homenagem às vítimas

blog Blog: histórias de quem quase embarcou

especialCronologia das tragédias da aviação brasileira

especialCronologia dos piores acidentes aéreos do mundo

 

Os corpos foram recolhidos da Fragata Bosísio, que está a 40 km do arquipélago, pelo helicóptero Super Puma. O aparelho decolou às 5h49 e voltou às 7h34. O bom tempo permitiu a execução do traslado dentro do horário previsto. Para esta manhã, está programada uma segunda viagem para a remoção dos outros 13 corpos.

 

A Fragata Bosísio é equipada com um helicóptero Esquilo, que deixou a embarcação e está pousado em Noronha, para permitir o transporte dos corpos. O helicóptero Blackhawk, que ajudou no traslado dos primeiros 16 corpos encontrados, não participou dessa segunda operação. Coube a ele apenas transportar a tripulação da Marinha.

 

Na noite de quarta, 10, chegaram ao arquipélago dois oficiais da Marinha francesa. A dupla seguiu até a Fragata Bosísio no Blackhawk, para serem levados às embarcações da França que atuam nas áreas de buscas por corpos e destroços.

 

Na Bosísio, vieram para Noronha dois militares franceses que estavam na área de buscas. O motivo era a suspeita de que um deles um estava com meningite. Exames, entretanto, descartaram o diagnóstico. Às 7h13, um avião Bandeirante da Força Aérea Brasileira levou os dois para Natal, no Rio Grande do Norte.

 

Os primeiros 16 corpos de vítimas chegaram no início da noite de quarta-feira a Recife. O trabalho inicial de perícia feito em Fernando de Noronha demorou além do previsto, segundo o comando militar. Esperava-se uma média de duas horas para análise de cada corpo e estão sendo necessárias três horas.

 

O comando militar brasileiro estipulou pela primeira vez um prazo para as buscas das vítimas do voo 447 da Airbus. Caso se mantenham as correntes marítimas e condições atuais de busca, os trabalhos devem seguir até o dia 19. Mas os militares ressaltam que, a cada dia, fica mais difícil a localização de corpos: até agora, 41 foram resgatados e as condições climáticas ontem não favoreceram os trabalhos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.