Justiça nega pedido de prisão de PM

POLÍCIA

, O Estado de S.Paulo

20 Abril 2010 | 00h00

A Justiça negou ontem o pedido de prisão temporária do cabo César Reiche, atirador de elite do Grupamento Aéreo da Polícia Militar, do ex-PM Luís Roberto Gavião Martins e do médico Lior Baruch. Reiche é apontado pela Polícia Civil como suspeito de integrar a Firma, empresa formada por PMs e ex-PMs contratados para ganhar até R$ 30 mil por cada morte por encomenda. A Polícia Civil chegou aos nomes dos três após identificar e prender o ex-PM Jairo Ramos dos Santos, assassino confesso de três investigadores de Santo André, no ABC paulista. O último crime ocorreu no último dia 13. Ao matar o investigador Douglas Yamashita, o ex-PM foi baleado seis vezes. Martins, Baruch e Reiche providenciaram socorro para Santos no Hospital Geral de Pirajuçara, em Taboão da Serra, na Grande São Paulo, mas não avisaram a polícia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.