1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Justiça Militar manda soltar PMs suspeitos de chacina em Osasco

- Atualizado: 12 Fevereiro 2016 | 23h 10

Juiz considerou que o tempo de prisão dos policiais excedeu o prazo legal; 19 pessoas foram mortas

SÃO PAULO - O juiz José Álvaro Machado Marques, do Tribunal de Justiça Militar, revogou no final da tarde desta sexta-feira, a prisão preventiva de sete policiais militares suspeitos de participar da maior chacina da história de São Paulo, que deixou 19 mortos e cinco feridos, nas cidades de Osasco e Barueri, em agosto do ano passado.

Os suspeitos estavam presos em razão de um inquérito policial militar (IPM) que tramita na Corregedoria da PM. Na decisão, o magistrado considerou que o tempo de prisão excedeu o prazo legal e, por isso, mandou soltá-los. 

Ataques em Osasco e Barueri
EDISON TEMOTEO/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
Ataques em Osasco e Barueri

Dezenove pessoas morreram após ataques nas cidades de Osasco e Barueri

Mas, dois dos policiais militares que receberam o alvará de soltura do TJM estão com prisão preventiva decretada pela Justiça comum e vão continuar na presos. Eles, junto com um guarda civil de Barueri - que também está preso - , são réus no processo da chacina. 

Segundo as investigações da Corregedoria da PM e do Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP), policiais militares de Osasco se uniram a guardas civis de Barueri para vingar a morte de dois colegas de corporação dias antes da chacina.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em São PauloX