1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Justiça manda libertar padrasto do menino Joaquim

- Atualizado: 22 Fevereiro 2016 | 22h 06

Guilherme Longo é o principal suspeito pela morte do menino de 3 anos, cujo corpo foi encontrado no Rio Pardo, em Barretos

Corpo do menino Joaquim foi localizado boiando em rio
Corpo do menino Joaquim foi localizado boiando em rio

FRANCA - Guilherme Longo, padrasto e principal suspeito pela morte do menino Joaquim Ponte Marques, em Ribeirão Preto, deve deixar a penitenciária de Tremembé até esta terça-feira, 23. Decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), no final da tarde desta segunda, 22, manda libertar Longo, que está preso desde 2013 e ficará em casa, mas com restrições. 

Entre outros pontos, ele não poderá frequentar locais públicos. A Justiça acatou argumento do advogado de defesa, Antonio Carlos de Oliveira, de que até hoje falta uma perícia que, em tese, poderia ser favorável a seu cliente.

Joaquim Marques Ponte, de 3 anos, desapareceu de sua casa em Ribeirão Preto no dia 5 de novembro de 2013. Cinco dias depois, seu corpo foi localizado no Rio Pardo, em Barretos (SP). O padrasto é o principal suspeito pela morte do menino.

Ele nega qualquer envolvimento, assim como a mãe do garoto, a psicóloga Natália Ponte, também citada no processo, mas que aguarda em liberdade o julgamento.

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em São PauloX