Reproducao
Reproducao

Justiça determina prisão de suspeito de matar americano

Tribunal de Justiça aceitou pedido de prisão temporária de 15 dias para Alysson Gonçalves Canuto, acusado de matar David Sommer

Felipe Resk, O Estado de S. Paulo

30 Janeiro 2015 | 16h04

SÃO PAULO - Acusado de matar e ocultar o corpo do empresário americano David Benjamin Sommer, o gerente Alysson Gonçalves Canuto, de 28 anos, teve o mandado de prisão temporária de 15 dias expedido pela Justiça. O suspeito está preso na carceragem do 77º Distrito Policial (Santa Cecília), segundo informações da Polícia Civil.

Sommer, que tinha 50 anos, estava desaparecido desde o dia 11 de janeiro e foi encontrado enterrado às margens da Rodovia dos Imigrantes nesta quinta-feira, 29, em São Paulo. O executivo havia sido visto pela última vez em uma casa de prostituição, no bairro da Liberdade, no centro, onde Canuto trabalhava.

A investigação do caso foi iniciada no dia 14, após uma sócia da vítima ter registrado o seu desaparecimento. O americano morava no Brasil havia nove anos e trabalhava para uma seguradora. Com auxílio de cães farejadores, os policiais cumpriram mandados de busca no prédio onde funcionava a casa de prostituição, logo após receber informações e pistas de que o americano frequentava o local.

O executivo teria sido vítima de um mata-leão e injeções soníferas, aplicados por Canuto, no sétimo andar do prédio - onde o americano estaria consumindo cocaína. O ataque teria sido motivado por ciúmes do gerente por uma das mulheres do local com que o estrangeiro tentava manter relações. Segundo o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), o suspeito confessou o crime.

Aos policiais, Canuto teria relatado que retirou o corpo do estrangeiro do prédio dentro de uma geladeira e o levou para a Rodovia dos Imigrantes, entre os quilômetros 12 e 13. A geladeira foi queimada nas imediações. O DHPP ainda investiga o envolvimento de outras pessoas no crime.

A prisão temporária de Canuto, expedida pelo Tribunal de Justiça (TJ-SP), pode ser prorrogada pelo mesmo prazo - período em que a Polícia Civil deve concluir o inquérito.

Mais conteúdo sobre:
São Paulo David Benjamin Sommer

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.