1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Justiça bloqueia bens de ex-diretor da Fundação Teatro Municipal

- Atualizado: 16 Fevereiro 2016 | 19h 26

José Luiz Herencia teria causado prejuízo de R$ 18 mi aos cofres públicos; medida atinge também mãe e ex-namorada do acusado

O ex-diretor-geral da Fundação Theatro Municipal de São Paulo, José Luiz Herencia, é alvo de investigação conjunta da Controladoria-Geral do Município e do Ministério Público Estadual (MPE) por suspeita de corrupção e enriquecimento ilícito durante sua gestão. 

O ex-diretor-geral da Fundação Theatro Municipal de São Paulo, José Luiz Herencia, é alvo de investigação conjunta da Controladoria-Geral do Município e do Ministério Público Estadual (MPE) por suspeita de corrupção e enriquecimento ilícito durante sua gestão. 

SÃO PAULO - O juiz Paulo de Abreu Lorenzino determinou o bloqueio dos bens do ex-diretor da Fundação Teatro Municipal, José Luiz Herencia. Ele é investigado pelo Ministério Público por suspeita de corrupção, enriquecimento ilícito, lavagem de dinheiro e de causar um prejuízo de R$ 18 milhões aos cofres públicos. A medida judicial também atinge a mãe do acusado e a ex-namorada.

O magistrado aceitou todos os argumentos dos promotores do Grupo Especial de Combate a Delitos Econômicos (Gedec). A investigação apurou que Herencia adquiriu patrimônio incompatível com sua renda. Segundo o Ministério Público, ele é dono de três terrenos em Ilhabela, em São Sebastião, no litoral norte, dois apartamentos (um deles avaliado em R$ 5 milhões) e quatro carros de luxo. Os promotores afirmam que alguns bens foram registrados no nome da mãe e da ex-namorada do investigado e que ele ainda usaria as contas bancárias delas para movimentar dinheiro ilícito.

Segundo as investigações, só de janeiro a maio de 2014, Herencia movimentou cerca de R$ 2,8 milhões, embora tivesse renda mensal de R$ 11 mil. A decisão da Justiça é de 15 de janeiro e determina o bloqueio das contas bancárias dos três investigados e das empresas relacionadas a eles.

Herencia assumiu a direção da fundação em 2013 e pediu exoneração do cargo, em novembro de 2015, depois de desentendimentos com o maestro John Neschling. A Controladoria Geral do Município (CGM) iniciou uma investigação após constatar que contratos assinados por Herencia apresentaram gastos elevados.

Em dezembro, a CGM e o Gedec fizeram uma operação e apreenderam computadores e documentos na casa e na empresa de Herencia. Buscas também foram feitas na casa da mãe. Na época, ele negou as acusações e disse que colaboraria com as investigações. Nesta terça, ele não foi localizado para comentar o caso.

 

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em São PauloX