EVELSON DE FREITAS/ESTADÃO
EVELSON DE FREITAS/ESTADÃO

Justiça cassa domiciliar e Abdelmassih deverá voltar à prisão

Ex-médico, acusado de estuprar pacientes, deve ser transferido para a Penitenciária de Tremembé

O Estado de S.Paulo

17 Agosto 2017 | 20h25

A pedido do Ministério Público de São Paulo, a Justiça voltou a cassar a permanência de Roger Abdelmassih, de 73 anos, em detenção domiciliar. Com a decisão, o ex-médico deverá retornar à prisão.

Há uma semana, Abdelmassih havia perdido o direito à prisão domiciliar, de acordo com decisão da juíza Sueli Zeraik Armani, da 1ª Vara de Execuções Criminais, de Taubaté (SP), por causa da falta de tornozeleiras eletrônicas no Estado de São Paulo­. 

No início da semana, porém, o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) havia aceitado o pedido de habeas corpus e determinado o retorno à prisão domiciliar. Na decisão emitida no domingo, o desembargador plantonista Ronaldo Sérgio Moreira da Silva afirmou que o preso não pode ser "penalizado" por uma "deficiência ou falha estrutural do Estado de São Paulo". 

Na terça-feira, ele recebeu alta do Hospital Albert Einstein, na zona oeste de São Paulo, onde tratou uma infecção bacteriana identificada no sistema urinário. Ele se encontra em sua casa, no Jardim Paulistano, mas deve ser transferido para a Penitenciária de Tremembé, onde já cumpriu pena de três anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.