Werther Santana/AE
Werther Santana/AE

Julgamento de atleta acusado de matar ex-mulher é retomado em SP

Janken Ferraz foi preso na Bahia, em 2009, após sequestrar a filha; na época, ele alegou legítima defesa

06 Dezembro 2011 | 14h15

SÃO PAULO - O julgamento do ex-jogador de futebol Janken Ferraz Evangelista, de 30 anos, acusado de matar a ex-mulher, foi retomado nesta terça-feira, 6, no Fórum Criminal da Barra Funda, zona oeste de São Paulo. A sessão que estava prevista para começar às 10h30 foi iniciada às 11h10.

Hoje, a sessão foi interrompida à 0h30 após o depoimento da quinta testemunha de defesa. Faltam ser ouvidas a mãe do réu, um amigo e um conselheiro tutelar da Bahia, que deve expor ao júri como era o relacionamento entre Evangelista e Ana Cláudia Melo da Silva, de 18 anos.

Janken é acusado de homicídio triplamente qualificado - por motivo torpe, meio cruel e não ter dado à vítima possibilidade de defesa. Se condenado, ele pode pegar até 30 anos de prisão.

Ana Cláudia foi assassinada a facadas em dia 23 de março de 2009, no apartamento onde morava, no bairro Jardim da Saúde, zona sul da capital paulista. O casal havia acabado de retornar do jogo entre Corinthians e Santos quando Janken atacou a vítima após uma discussão. Na mesma noite, câmeras do prédio registraram o ex-jogador saindo do imóvel com o filho do casal.

Três dias depois, a polícia deteve Janken na casa da mãe dele, em Teixeira de Freitas, na Bahia. Trazido para São Paulo, ele contou que discutiu com a jovem após flagrá-la conversando ao telefone celular com o goleiro Fábio Costa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.