Juiz nega pedido de novo júri para casal Nardoni

O juiz da 2.ª Vara do Tribunal do Júri de Santana, Maurício Fossen, negou na tarde de ontem o pedido para realização de um novo julgamento para o casal Alexandre Nardoni, de 31 anos, e Anna Carolina Jatobá, de 26, condenados pela morte da menina Isabella. Cabe recurso no Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP).

Leandro Calixto, O Estado de S.Paulo

07 Abril 2010 | 00h00

O juiz, no entanto, aceitou o recurso de apelação da defesa do casal. Agora a reforma da sentença de 31 anos e 1 mês para Alexandre e 26 anos e 8 meses depende de uma decisão do TJ-SP.

Os advogados dos Nardonis entraram com um pedido de anulação do júri por causa da mudança do Código Penal, aprovada há pouco mais de um ano. Antes da mudança, a defesa poderia entrar automaticamente com um pedido de anulação quando o réu fosse condenado há mais de 20 anos de prisão.

Em seu despacho, Fossen alegou que "o protesto por novo júri não passava de uma segunda chance, concedida ao acusado, porque se entendia que a pena fora fixada em patamar elevado. Mas não se pode considerar o antigo direito ao protesto por novo júri como norma processual penal material somente pelo fato de que sua interposição condicionava-se a um determinado patamar de pena".

A condenação. O júri do casal Nardoni foi um dos mais esperados. O julgamento durou cinco dias e a sentença foi anunciada na madrugada do dia 27 do mês passado.

Centenas de populares acompanharam o anúncio da sentença ao lado de fora do Fórum de Santana, zona norte da capital. Houve uma grande comemoração pela condenação do casal e alta pena.

O crime. Depois de ser agredida, Isabella foi atirada do sexto do Edifício London ainda com vida, segundo laudos periciais. O crime, ocorrido no dia 29 de março de 2008, provocou grande comoção. Se ainda estivesse viva, Isabella estaria com 7 anos de idade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.