Arquivo pessoal/Divulgação
Arquivo pessoal/Divulgação

Jovem gay diz ter sido agredido por guardas no Largo do Arouche

Segundo Erisvaldo Ferreira de Melo, de 26 anos, ele levou tapas na cara e socos depois de ter tentado impedir que guardas da GCM levassem um casal gay para a delegacia por estarem se beijando

Caio do Valle e Laura Maia de Castro, O Estado de S. Paulo

04 Abril 2014 | 10h23

SÃO PAULO - Um jovem homossexual disse ter sido agredido por guardas civis metropolitanos na madrugada de segunda-feira, 31, no Largo do Arouche, no centro de São Paulo.Segundo Erisvaldo Ferreira de Melo, de 26 anos, ele levou tapas na cara e socos depois de ter tentado impedir que os guardas levassem um casal gay para a delegacia por estarem se beijando. A Guarda Civil Metropolitana (GCM) negou as agressões e disse que foi um de seus agentes que levou um soco nas costas.

De acordo com Melo, o tumulto começou por volta das 3h quando a GCM abordou um casal gay que estava se beijando e pediu para eles saíssem do Largo do Arouche. O casal teria alegado que não estava fazendo nada de errado e que não iriam sair dali. Houve confusão e, segundo Melo, quando os agentes tentaram levar o casal em uma viatura, ele tentou interferir.

"Levei tapas, socos e fui levado na viatura. Lá dentro também apanhei e me chamaram de 'viadinho'", disse Melo, que foi encaminhado ao 2°DP (Bom Retiro) e liberado em seguida.

Na terça-feira, 1º, ele registrou um boletim de ocorrência na Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi)."Não vou abaixar a cabeça porque eu estava me divertindo, não estava fazendo nada de errado".

Em nota, a Secretaria Municipal de Segurança Urbana, responsável pela Guarda Civil Metropolitana, disse que às 3h30, sete pessoas estavam encostadas na viatura da corporação no Largo do Arouche e que os guardas teriam pedido para que o grupo desencostasse duas vezes sem serem atendidos. Ainda segundo a nota, uma das pessoas agrediu um guarda com um soco nas costas. "Diante do acontecido, os agentes deram voz de prisão por desacato. Houve resistência por parte do grupo, que ainda danificou o paralama e a porta traseira (lado direito) da viatura". A Secretaria também afirmou que repudia qualquer atitude homofóbica por parte de seus servidores.

Leia a nota na íntegra:

"A Secretaria Municipal de Segurança Urbana, pasta responsável pela Guarda Civil Metropolitana, informa que na madrugada do último dia 31, por volta das 03h30, sete (07) indivíduos encostaram-se na viatura da corporação, no Largo do Arouche. Os guardas que estavam em serviço pediram para que os mesmos desencostassem da viatura por duas vezes, o que não foi feito. Um dos envolvidos, além de proferir palavras de baixo calão contra os agentes, agrediu um GCM com um soco nas costas. Diante do acontecido, os agentes deram voz de prisão por desacato. Houve resistência por parte do grupo, que ainda danificou o paralama e a porta traseira (lado direito) da viatura. Eles foram encaminhados ao 2º Distrito Policial, onde foi registrado o Boletim Ocorrência nº 2172/2014, contendo as informações acima. A Secretaria Municipal de Segurança Urbana e a Guarda Civil Metropolitana ressaltam ainda que repudiam qualquer atitude homofóbica por parte de seus servidores, que são orientados e capacitados a atender todos os munícipes sem quaisquer distinções."

Mais conteúdo sobre:
gay homofobia Largo do Arouche

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.