Jovem de 19 anos morre e 2 ficam feridos em perseguição da PM em Santos

Corregedoria da Polícia Militar autuou quatro policiais que participaram da ocorrência; adolescente de 15 anos está entre os feridos

Gheisa Lessa, O Estado de S.Paulo

19 Julho 2012 | 15h32

SÃO PAULO - Um jovem de 19 anos morreu e outros dois ficaram feridos após uma tentativa de abordagem da Polícia Militar no Morro da Nova Cintra, em Santos, no litoral de SP, na madrugada desta quinta-feira, 19. A Corregedoria da Polícia Militar autuou quatro policiais que participaram da ocorrência. Entre os feridos, está uma menina de 15 anos de idade.

De acordo com a polícia, uma viatura tentou abordar um Gol prata às 24h30, mas o condutor tentou fugir, dando início a uma perseguição. Duas viaturas teriam então realizado um cerco ao veículo, segundo informações do Boletim de Ocorrências. O carro tentou ultrapassar a barreira quando a troca de tiros começou.

Os policiais afirmaram em depoimento que os tiros começaram a ser disparados de dentro do carro em direção à barreira, que reagiu. No tiroteio, Bruno Vicente de Govea e Viana, de 19 anos, que estava no banco de trás do carro, foi atingido e morreu. Dois outros passageiros, Felipe de Sousa Figueira, 20 anos, e um adolescente de 15 anos, foram baleados. O condutor, José Luiz Lima da Costa, de 28 anos, saiu do veículo e se rendeu junto aos demais ocupantes do carro: uma adolescente de 16 anos e Aelson Fonseca Borges, de 26. 

Segundo os policiais, um revólver calibre .22, três projéteis disparados e uma arma de brinquedo foram encontrados dentro do carro. O delegado titular Alexandre Galante Alencar Aranha, do 1º Distrito Policial de Santos, para onde a ocorrência foi encaminhada, conta que os ocupantes do carro que não ficaram feridos explicaram que o condutor tentou fugir porque não possuía a Carteira Nacional de Habilitação (CNH). O grupo nega a posse da arma. 

Aranha afirma que a Corregedoria da Polícia Militar autuou os policiais envolvidos no caso por volta das 14h desta quinta, 19."A Corregedoria entendeu que houve irregularidades na ação, mas ainda não tenho os dados das autuações, acredito que eles devem responder por homicídio", diz o delegado.

Mais conteúdo sobre:
Polícia Militar homicídio violência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.