Oswaldo Ribas/Facebook
Oswaldo Ribas/Facebook

Jornalista é assassinado durante assalto na Vila Madalena

Dupla em moto realizava série de roubos na zona oeste e matou Oswaldo Ribas, de 64 anos; Polícia Civil busca identificá-la

Luiz Fernando Toledo e Marco Antônio Carvalho, O Estado de S.Paulo

11 Outubro 2017 | 16h57
Atualizado 11 Outubro 2017 | 21h49

SÃO PAULO - O jornalista Oswaldo Macedo Ribas, de 64 anos, foi morto após ser baleado em um assalto no início da manhã desta quarta-feira, 11, na Vila Madalena, na zona oeste de São Paulo. Segundo a Secretaria da Segurança Pública (SSP), uma bolsa com documentos foi tomada no roubo, mas não foi informado o que levou os dois criminosos, que atuavam em uma moto, a disparar contra Ribas. A dupla teria praticado ao menos outros três roubos nas proximidades antes de realizar o crime, investigado como latrocínio.

A SSP disse que a Polícia Militar foi chamada para atender a ocorrência às 5h30 na Rua Isabel de Castela, próximo à Praça Coronel Custódio Fernandes Pinheiro, conhecida como Praça Pôr do Sol. Ribas foi encontrado baleado no braço e no ombro, foi socorrido ao Hospital das Clínicas, mas não resistiu aos ferimentos.

+++ Crimes aumentam na região do Alto de Pinheiros, onde estudante foi baleado

Ribas estava na parada de ônibus localizada a menos de cem metros do seu apartamento e ia para o trabalho. A parada de ônibus fica na calçada da casa da aposentada Rafaela Peluso, de 75 anos, que disse ter escutado um barulho no início da manhã, mas não se levantou. Só depois saberia do crime. “Aqui, o que tem é geralmente bandidos pé de chinelo que roubam celular.”

A nora de Rafaela, Cláudia Peluso, de 44 anos, disse que são cada vez mais frequentes crimes no bairro, apesar da pouca incidência naquela parada.

Perfil

Em nota, a CDN, agência de comunicação para a qual Ribas trabalhava, disse que há 19 anos ele fazia o mesmo trajeto. “Um dia muito triste para nós.” A agência afirmouque ele era um dos primeiros a chegar ao trabalho, “sempre com bom humor, profissionalismo e generosidade”. Ribas deixa a mulher, três filhos e dois netos. 

Graduado em jornalismo pela Universidade Paulista (Unip) e em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (USP), ele atuava como gerente e editor da CDN Análise e Tendências na área internacional. Foi redator, repórter e editor assistente nas editorias de Internacional e Economia do Estado, além de editor da Gazeta Mercantil.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.