1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Incêndio no Porto de Santos é contido pelo Corpo de Bombeiros

- Atualizado: 16 Janeiro 2016 | 11h 52

Ao menos 175 pessoas buscaram atendimento médico na cidade

GUARUJÁ - Os bombeiros finalizaram na madrugada deste sábado, 16, o combate às chamas nos contêineres na área da empresa Localfrio, no distrito de Vicente de Carvalho. Agora,  os trabalhos estão concentradas na fase de rescaldo dos equipamentos, com o objetivo de inertizar os produtos que ainda podem oferecer risco. Até agora, 175 pessoas buscaram atendimento médico nas unidades de pronto atendimento da cidade.

"Encerramos o combate ao fogo às 4h com o procedimento de abrir cada contêiner em chamas para lançar água em seu interior. Essa medida liberou mais fumaça, porém foi mais eficaz", explicou o tenente, Rafael Marques.

Esta ação do Corpo de Bombeiros foi adotada no início da noite de sexta-feira (15) e a travessia de balsas entre Guarujá e Santos teve de ser paralisada por falta de visibilidade no estuário. Anteriormente, foi usada a técnica de imersão dos equipamentos em chamas em um tanque para acabar com a reação química. 

Segundo o tenente Marques, do lote de 85 contêineres, 50 pegaram fogo, sendo que alguns ficaram totalmente danificados. A corporação segue no local, mas agora com 60 homens, 25 viaturas e ainda conta com o apoio de um navio para bombear a água do mar. A previsão é de que o trabalho de rescaldo siga durante o final de semana. Nesse período, será possível que os moradores percebam nuvens de fumaça pela Cidade. 

Ainda de acordo com a Cetesb, há no local 85 contêineres e 90% deles têm um produto denominado dicloroisocianurato, usado principalmente na desinfecção de piscinas. 

Ainda de acordo com a Cetesb, há no local 85 contêineres e 90% deles têm um produto denominado dicloroisocianurato, usado principalmente na desinfecção de piscinas. 

Paralisação - Cinco dos nove terminais da margem esquerda do Porto de Santos tiveram suas atividades interrompidas devido ao acidente que acometeu o distrito de Vicente de Carvalho.

Os trabalhos foram interrompidos nos dois terminais da Santos Brasil (Tecon Santos e Terminais de Veículos), a instalação conjunta da Bunge, ALL e Amaggi, a da Bungue e ALL (Temag) e a Localfrio. Já os terminais Teg e Teg (joint venture entre Cargill e Louis Dreyfus) e os da Dow Química e Cutrale não foram paralisados. 

O comércio de Vicente de Carvalho também teve sua rotina alterada. Muitos lojistas fecharam as portas, principalmente no dia do vazamento. Na sexta-feira, como foi feriado municipal, muitos não abriram suas lojas. Porém, serviços essenciais, como farmácias e postos de combustíveis sofreram mudanças. 

"No dia do acidente fechamos às 17h. Agora está mais tranquilo, mas quando o vento joga a fumaça em nossa direção temos que entrar e paralisar o atendimento", disse o frentista, Marcio Tavares.

Apuração - O Ministério Público de Guarujá instaurou inquérito civil para averiguar os danos ambientais causados pelo vazamento. Segundo o promotor de Justiça do Meio Ambiente, Osmair Chamma Júnior, o órgão vem trocando informações com o Grupo de Atuação Especial de Defesa do Meio Ambiente (Gaema) através de ofícios, para apurar futuras responsabilidades.

Já os vereadores Nelsinho Filho e Luciano Tody, ambos do PMDB, participaram das reuniões do Gabinete de Gestão e Crise que foi criado pela prefeita da cidade, Maria Antonieta de Brito (PMDB). O presidente da Câmara Municipal, Ronald Nicolai Fincatti (PROS) anunciou que pretende criar uma comissão de assuntos relevantes que ficará incumbida de apurar todos os fatos relacionados ao episódio. 

Turismo - Em um primeiro momento, a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB) orientou os turistas a evitarem a região atingida pelo vazamento químico. Entretanto, divulgou uma nota no final na sexta-feira (15) afirmando que a balneabilidade das praias não foi atingida.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em São PauloX