1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Império de Casa Verde é campeã do carnaval 2016 de São Paulo

- Atualizado: 09 Fevereiro 2016 | 20h 42

Escola explorou o universo dos mistérios, com um desfile de apelo mais visual; X-9 e Pérola Negra foram rebaixadas

Integrantes da Império de Casa Verde comemoram o título 

Integrantes da Império de Casa Verde comemoram o título 

SÃO PAULO - A escola de samba Império de Casa Verde é a campeã do carnaval 2016 de São Paulo. Com 269,4 pontos, a agremiação venceu as 14 escolas que competiam neste ano (veja as notas de cada escola). A Império explorou o universo dos mistérios, com um desfile de apelo mais visual, fantasias trabalhadas e carros luxuosos. O abre-alas, imponente, com 75 metros de comprimento e 15 metros de altura, carregava o tigre, símbolo da agremiação.

A bateria investiu em paradinhas que casavam com o samba-enredo. No trecho "bate forte coração", foram simuladas batidas do órgão. O desfile foi a estreia do carnavalesco Jorge Freitas, ex-Rosas de Ouro, na agremiação. Segundo Freitas, "o que decidiu foi o grande trabalho que estamos desenvolvendo. Tenho uma comunidade muito forte que só precisava ser incentivada", disse o carioca. Ele também disse que a crise econômica foi superada com criatividade

Império de Casa Verde é campeã do carnaval paulista de 2016
SERGIO CASTRO/ESTADÃO
Império de Casa Verde é campeã do carnaval paulista de 2016

Escola explorou o universo dos mistérios, com um desfile de apelo mais visual; X-9 e Pérola Negra foram rebaixadas. Leia mais

Sob calor intenso e música alta, integrantes da escola Império da Casa Verde comemoravam o título no galpão da agremiação, na zona norte da capital. O local está lotado até do lado de fora e atraiu a curiosidade de foliões e moradores da região, que se aproximam. 

"É a coroação de nove meses de trabalho intenso. Todo mundo envolvido. Esse título resgata a autoestima de todos nós", disse o diretor de Harmonia da escola, o Carlinhos.

O primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira do Império, Marlon Lamar e Jéssica Gioz, comemorava o título e recebia cumprimentos constantes dos presentes. "É o terceiro título que ganho com a escola", disse Jéssica, que está na agremiação desde 1999. "É triunfante. Tivemos a nota máxima", contou Lamar. 

O vice-campeonato ficou com a Acadêmicos do Tatuapé, seguida pela Mocidade Alegre. Já a Pérola Negra e a X-9 Paulistana caíram para o grupo de acesso, pois tiveram as menores notas (264 pontos e 263,9 pontos, respectivamente).

A Mocidade Alegre liderou até o quesito evolução. Em bateria, a Império passou à frente e não caiu mais. Em 2015, a campeã foi a Vai-Vai e a Império ficou em oitavo lugar.

Os quesitos avaliados, pela ordem, foram mestre-sala e porta-bandeira, enredo, alegoria, samba-enredo, evolução, bateria, harmonia, comissão de frente e fantasia. O quesito fantasia era o critério de desempate, mas na apuração de hoje isso não foi necessário.

Escolas desfilam no 2° dia de carnaval em São Paulo
Felipe Rau/Estadão
Unidos do Peruche

Stephanye Cristine, rainha de bateria do Unidos do Peruche

A apuração começou um pouco depois das 16 horas no hall do palácio de convenções do Anhembi, local diferente dos outros anos. Tradicionalmente, a leitura das notas era feita no Sambódromo, mas na noite de segunda a Liga Independente das Escolas de Samba dos Grupos Especial e Acesso do Carnaval de São Paulo e a SPTuris decidiram pelo Anhembi, já que as chuvas fortes de segunda danificaram a estrutura do espaço preparado para isso no sambódromo. O público não teve acesso ao local, somente os representantes das escolas, como é feito desde 2013, quando um homem, no ano anterior, invadiu o palco e rasgou as notas.

Veja fotos do 1º dia de desfiles em São Paulo
DANIEL TEIXEIRA/ESTADAO
Anhembi no escuro

Parte do Anhembi ficou sem luz antes dos desfiles na primeira noite do carnaval de São Paulo. O motivo teria sido um gerador queimado. Leia mais

Confusão. A Império de Casa Verde levou duas  notas 10 onde a maioria das escolas foi penalizada com a perda de cinco décimos: no quesito evolução. Neste ponto das leituras, uma grande confusão se instalou no hall do Palácio de Convenções do Anhembi. Algumas escolas protestaram contra as notas baixas e os integrantes da Unidos de Vila Maria, mais enfurecidos, tentaram por diversas vezes invadir o palco de leitura. 

Em um das tentativas, um diretor da agremiação, que terminou em quinto lugar, foi contido por um policial. Segundo Osvaldo Nico Gonçalves, ele mordeu o policial e foi preso por agressão e desacato. Foi nesta altura da apuração que a Império ultrapassou a maioria das escolas e chegou até a Mocidade Alegre, que liderava a apuração, mas foi prejudicada nas notas de evolução e bateria. 

A presidente da Morada do Samba, Solange Bichara, lamentou a confusão na leitura das notas. "Foi um carnaval atípico. Todo mundo errou e todo mundo acertou. Não tenho competência para falar sobre os jurados, mas a Império está de parabéns e não foi beneficiada de jeito nenhum." A escola levou notas abaixo de dez na bateria. Mas a presidente não acredita que a série de paradinhaa ao longo do desfile, nove no total, tenham prejudicado a escola.

As duas noites de desfile do carnaval em São Paulo tiveram ocorrências. Houve apagão de refletores, integrante da Vai-Vai que agrediu o cronometrista do sambódromo, modelo que foi expulsa por tirar a roupa na Unidos do Peruche e um rapaz se feriu após cair de um carro alegórico, este da X-9 Paulistana.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em São PauloX