Amanda Perobelli/ Estadão
Amanda Perobelli/ Estadão

Igreja luterana se une pela reconstrução de templo que desabou no Paiçandu

Doações já totalizam R$ 80 mil; material danificado deve ser reutilizado

Isabela Palhares, O Estado de S.Paulo

15 Maio 2018 | 10h39

Mesmo danificados, tijolos, arcos de madeira e vitrais da Igreja Martin Luther têm uma importância fundamental na reconstrução da paróquia que foi atingida no desabamento do prédio Wilton Paes de Almeida, no centro de São Paulo. Ainda sem saber a dimensão total dos estragos, a comunidade luterana já se organiza para que a restauração chegue o mais próximo possível de como era o imóvel. 

Oito dias após o acidente, a igreja já tinha arrecadado R$ 80 mil em doações de outras comunidades luteranas do Brasil e também do exterior. O pastor Frederico Carlos Ludwig também pediu ao Corpo de Bombeiros para não retirar o entulho da paróquia. "Ali nos escombros, tem muito material valioso. Os tijolos podem ser reaproveitados, os bancos podem ser consertados, até mesmo os vitrais podem ser reconstruídos mesmo que a gente use só parte deles", diz o pastor. 

A intenção da comunidade é reconstruir a igreja no mesmo local, já que a torre frontal e o altar não foram afetados. "Só o miolo foi afetado. É possível que ela volte a ser exatamente como era antes."

+++ Igreja Luterana de São Paulo teve 90% de sua estrutura destruída com desabamento de prédio

O pastor diz que ainda não é possível estimar o custo da reforma, já que ainda não há um parecer final do estado do imóvel pela Defesa Civil. O projeto de reconstrução também vai precisar de aprovação do Condephaat e Conpresp, conselhos de defesa do patrimônio histórico do Estado e município de São Paulo, respectivamente, responsáveis pelo tombamento da igreja.

+++ Crucifixo segue de pé em igreja atingida por desabamento

O valor arrecadado ainda está longe do que a reconstrução deve custar. O último restauro da igreja, que havia sido concluído há dois anos, custou R$ 1,3 milhão apenas para a parte interna. Mesmo sem um laudo final, o que se sabe sobre a situação do imóvel é que 90% do telhado e a parede do lado direito foram derrubados. 

Para o professor de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (USP) Lucio Gomes Machado, é possível restaurar a igreja "da forma como foi concebida" e manter o tombamento do imóvel. "O valor dele não está na originalidade da construção, mas no seu valor cultural e arquitetônico. Na correspondência do projeto com a religião", diz. 

+++ Ao lado do desabamento do Paiçandu, outro prédio corre risco

Segundo Machado, por ser uma construção do início do século 20, a maioria dos materiais foi feita industrialmente, como os tijolos. Assim, mesmo que estejam destruídos, podem ser reproduzidos no mesmo formato e tamanho. "É perfeitamente possível remontar a igreja a partir do que sobrou", diz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.