Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

São Paulo

São Paulo » Igreja de Itaquera faz oração contra homofobia de parlamentares

São Paulo

Igreja Nossa Senhora do Carmo/Divulgação

Igreja de Itaquera faz oração contra homofobia de parlamentares

Com pronunciamento sobre o tema 'Igreja e sexualidade: um debate necessário', católicos distribuíram prece pedindo superação da intolerância dentro da Igreja e no Congresso Nacional

0

Tulio Kruse ,
O Estado de S. Paulo

23 Junho 2015 | 18h40

São Paulo - Os católicos da Paróquia Nossa Senhora do Carmo em Itaquera, zona leste de São Paulo, criaram uma oração que pede o enfrentamento à "ofensiva homofóbica, fundamentalista e histérica presente no Congresso Nacional", além de defender que a própria Igreja supere "a demonização das relações afetivas". As preces foram distribuídas na paróquia em panfletos na manhã do último domingo, 21, após uma breve reflexão sobre o tema "Igreja e sexualidades: um diálogo necessário", feita pelo Padre Luís Correa Lima, que é professor da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ). O compartilhamento da foto do panfleto nas redes sociais provocou reações favoráveis e contrárias de internautas.

A "Oração dos Fiéis", como foi batizado o texto, pede a ascensão de "causas libertárias" e a garantia dos direitos quanto à orientação sexual. Coordenador da comissão que criou a prece, o padre Paulo Sérgio Bezerra diz que o texto tem inspiração na Bíblia e que sua intenção é tratar de temas atuais e pregar a solidariedade. "A gente reflete nas nossas orações o que acontece na sociedade", diz Bezerra.

Para ele, a atual configuração do Congresso Nacional é dominada pelo fundamentalismo religioso. "Em primeiro lugar, eu acho que os intolerantes como Silas Malafaia, o [deputado federal Marco] Feliciano, tem um projeto político perigoso na linha da teocracia cristã", critica o padre. "Essa ideologia é filha direta do preconceito cultural, social e racial e há pessoas espertas que manipulam a palavra de Deus, tiram do contexto, pegam frases soltas e, para manter o poder e o projeto político, incitam o povo à intolerância religiosa."

Desde que administra a paróquia em Itaquera, Bezerra também se tornou conhecido na comunidade por seu posicionamento político. Há pelo menos oito anos ele coordena campanhas contra homofobia e intolerância. Para as comemorações da Festa de Nossa Senhora do Carmo, o padre organizou uma série de pronunciamentos aos domingos, o que incluiu um professor de história que tratou de sexualidade. Entre os outros convidados, estão o deputado federal Chico Alencar (PSOL-RJ), o coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) Guilherme Boulos, e o jornalista e diretor da ONG Repórter Brasil, Leonardo Sakamoto.

As reações contrárias à "Oração dos Fiéis" por parte de alguns católicos, segundo o padre, são "pouco numerosas, mas muito barulhentas". A maior parte dos compartilhamentos da foto original publicada no Facebook é favorável, mas o texto também provocou reação de ao menos um blog católico que qualificou o texto como "escandaloso".

Mudança. Com a chegada do Papa Francisco ao mais alto cargo da Igreja Católica, a interpretação de Bezerra é de que há uma oportunidade para transformar a visão sobre sexualidade dominante na religião. "Precisamos ler a Bíblia com senso crítico e também dentro de um contexto", defende o padre. "A questão da sexualidade (conta) com a contribuição que hoje as ciências oferecem, inclusive com o direito das pessoas adultas terem liberdade em relação à sua orientação sexual."

O professor da PUC-RJ Luís Correa Lima, que fez o pronunciamento na igreja em Itaquera no domingo, diz que a interpretação da Igreja Católica sobre o tema já mudou. Lima estuda religião e sexualidade há pelo menos 9 anos, e diz que o papa Francisco trouxe novas interpretações sobre a moral com sua carta "A Alegria do Evangelho", em que diz que o cristão deve procurar o bem de todos, e não repreender. "Ele diz que a moral cristã não é um conjunto de preceitos e proibições, mas uma resposta ao amor de Deus que nos salva", diz Lima sobre o papa Francisco. "Ele deslanchou um debate na Igreja que realmente faz com o processo avance. Há um debate muito rico que já está fazendo mudanças."

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.