Paula Félix/Estadão
Paula Félix/Estadão

Horto, Parque da Cantareira e o Parque Ecológico do Tietê reabrem hoje

Para visitar as unidades, os frequentadores terão de se vacinar contra a febre amarela

Paula Felix, O Estado de S.Paulo

10 Janeiro 2018 | 10h36

SÃO PAULO - O Horto Florestal, o Parque da Cantareira, na zona norte, e o Parque Ecológico do Tietê, na zona leste, todos da gestão estadual na capital paulista, serão abertos a partir desta quarta-feira, 10, para a população.

Os parques da zona norte foram fechados no dia 20 de outubro, quando houve a confirmação de que um macaco bugio morreu após ser infectado pelo vírus da febre amarela. A unidade localizada na zona leste teve a visitação interrompida no dia 10 de novembro por causa de um macaco infectado levado para tratamento no local.

Para visitar as unidades, os frequentadores terão de se vacinar contra a doença. Faixas colocadas nas unidades informarão que a imunização deverá ser feita dez dias antes da visita, mas não haverá cobrança de comprovante de vacinação nas unidades.

De acordo com o Secretário de Estado do Meio Ambiente, Maurício Brusadin, a população terá de colaborar nesse processo.

"Todas as comunidades ao redor dos parques estão informadas e a cobertura vacinal nos dá a garantia de que a população está consciente. Temos certeza de que as pessoas que não estão vacinadas, ao ver a faixa, não vão entrar. Não vamos cobrar carteirinha."

Secretário de Estado da Saúde, David Uip afirma que os parques foram fechados para que análises fossem realizadas e que o local não oferece riscos para pessoas imunizadas. "Estamos diante de uma população que está vacinada. Não tem motivo para não reabrir os parques."

Segundo o balanço da Secretaria de Estado da Saúde, foram registrados 29 casos autóctones da doença e 13 óbitos. Há casos suspeitos em análise.

Transplantes

Com o caso da paciente de 27 anos que realizou um transplante de fígado no Hospital das Clínicas, Uip afirma que uma rede avançada de transplante de fígado está sendo desenvolvida para casos de hepatite fulminante causada pela doença. Hospitais de Campinas e de São José do Rio Preto fazem parte do núcleo.

Também haverá uma adequação para o fluxo de pacientes mais graves, que será encabeçada pelo Instituto de Infectologia Emílio Ribas e o Hospital das Clínicas.

Imunização 

A partir de 3 de fevereiro, terá início a vacinação em regiões que ainda não foram afetadas pelo vírus no Estado. A meta é vacinar 6,3 milhões de pessoas de 53 municípios até 24 de fevereiro.

Segundo a Secretaria de Estado da Saúde, 7 milhões de paulistas tomaram a vacina no ano de 2017. Entre 2007 e 2016, 7,6 milhões de pessoas tinham sido imunizadas.

"Nos 445 municípios que tinham recomendação para vacina, tínhamos 70 a 75% da população vacinada. Com a intensificação a partir de 2016, estamos agora com 80 a 85%", explica Regiane de Paula, diretora do Centro de Vigilância Epidemiológica  (CVE) da secretaria.

Campanha

A pasta informou ainda que uma campanha de doação de sangue será feita, tendo em vista que as pessoas imunizadas contra a febre amarela devem esperar quatro semanas para fazer uma doação. Atualmente, os estoques dos bancos estão com 40% da quantidade desejada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.