1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Homens são maioria na festa da Vila Madalena, mostra pesquisa

- Atualizado: 10 Fevereiro 2016 | 08h 34

Os dados são preliminares e fazem parte de uma pesquisa feita a pedido da Secretaria Municipal de Cultura nas ruas do bairro

SÃO PAULO - Quem foi para a Vila Madalena durante as noites de carnaval deste ano foi, na maioria, homens, de 18 a 24 anos, que chegaram de transporte público, não moram no bairro e nunca haviam participado de carnavais de rua. Mais importante: eles não foram para nenhum bloco específico, foram só para a Vila.

Os dados são preliminares e fazem parte de uma pesquisa feita a pedido da Secretaria Municipal de Cultura nas ruas do bairro entre sábado, 6, e esta terça-feira, 9, com 1.200 entrevistas. Ela reforça a impressão de quem foi até o bairro durante os dias de folia: quem foi até ali estava em busca de um “rolezinho”, não de um carnaval de rua. 

Lotação. Perímetro no bairro chegou a ter acesso fechado por excesso de foliões

Lotação. Perímetro no bairro chegou a ter acesso fechado por excesso de foliões

Os dados mostram que 68% dos frequentadores não são da Vila. Ao todo, 56% são homens e 52% do público tem entre 18 e 24 anos. A maioria masculina fez ser comum práticas e relatos de assédio e atitudes desrespeitosas com as garotas. 

Rodas de garotos se formaram ao redor de rapaz e moça que conversavam e gritavam “beija, beija” para a dupla. Algumas das meninas atendiam a “plateia” na hora, contentes com o novo par. Outras, visivelmente incomodadas, pediam para parar – mas não eram obedecidas. Houve quem fosse resgatadas por amigos, mas também quem teve de empurrar os rapazes e gritar “não” para se livrar do assédio.

Blocos carnavalescos tomam as ruas de São Paulo
Heloisa Ballarini/ Secom
Haddad acompanha bloco afro

Fernando Haddad, prefeito de São Paulo, e Ana Estela, primeira-dama, acompanham o cortejo Ilú Oba de Min, no Centro

Blocos. Ainda de acordo com a pesquisa, metade do público da Vila chegou no bairro neste carnaval entre 16 horas e 20 horas, horário em que os blocos de rua já haviam acabado. 

Mas 84% não foram para nenhum bloco específico. Levando em conta só esse público, que foi para a Vila sem ter ido atrás de blocos, 39% responderam que escolheram o bairro “porque o lugar é badalado”. Além disso, 40% disseram que foram à Vila “para acompanhar amigos”. E 99% deles não sabiam que, a poucos quarteirões dali, no Largo da Batata, aconteciam shows após os blocos – outra tentativa da Prefeitura de tirar gente da área ao redor da Rua Aspicuelta. 

Segundo o secretário municipal de Cultura, Nabil Bonduk, o número de reclamações sobre o carnaval do bairro foi “menor” neste ano. “Os dados servirão para avaliar o que pode mudar no ano que vem”, disse. A Prefeitura avalia que é possível achar formas de fazer os jovens buscarem mais locais para fazer festas paralelas no carnaval do ano que vem, reduzindo o estresse entre moradores e os blocos de rua. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em São PauloX