Bruno Ribeiro
Bruno Ribeiro

Polícia prende suspeito de estuprar ao menos seis mulheres na zona sul de São Paulo

Faxineiro, que já havia cumprido pena de dez anos de prisão por roubo, usava carro para abordar mulheres em bairros como Brooklin, Vila Nova Conceição e Morumbi; vítimas tinham entre 16 e 42 anos – três casos aconteceram em intervalo de 6 horas

Bruno Ribeiro, O Estado de S.Paulo

13 Setembro 2017 | 16h54

SÃO PAULO -  A Polícia Civil prendeu anteontem à noite um faxineiro acusado de estuprar seis mulheres nos últimos dois meses em cinco bairros da zona sul de São Paulo. Ele teve a prisão temporária, por 15 dias, decretada pela Justiça. Seis mulheres já identificaram o homem como autor do crime – e a polícia ainda espera que outras vítimas possam reconhecer o suspeito.

Cláudio Aquino dos Santos Mariano, de 44 anos, abordava mulheres na rua e as obrigava a entrar em seu carro, um Fiat Uno. Para isso, usava uma arma, segundo as investigações conduzidas pelo delegado Anderson Pires Gianpaoli, titular do 96.º Distrito Policial (Brooklyn). 

O homem foi identificado após investigadores notarem que três estupros em intervalo de seis horas, entre a noite do dia 8 e a madrugada do dia 9, tinham em comum o fato de um Uno ter sido usado na abordagem às vítimas. Todas disseram à polícia que o acusado teria feito, primeiro, que acreditassem ser um roubo ou um sequestro. 

No carro, com a arma na mão, ele as violentava. Depois, abandonava as mulheres em ruas distantes dos pontos da captura. As vítimas que já o reconheceram têm entre 16 e 42 anos – no grupo, há outra adolescente, de 17 anos. “Espero que, com a divulgação da prisão, mais vítimas possam vir e reconhecê-lo”, disse o delegado.

Prisão. A identificação de Aquino partiu do registro de um dos casos do dia 8. Uma mulher havia sido abordada na Avenida Hélio Pellegrino, próximo à Avenida Santo Amaro, na Vila Nova Conceição. “Fizemos buscas no sistema e achamos outros dois casos, muito parecidos, no mesmo dia”, afirma Gianpaoli.

As buscas por imagens que pudessem mostrar um Uno de cor escura começou a partir do endereço dos três crimes. Naquele dia, às 18 horas, uma mulher havia sido atacada do Morumbi. Ela havia sido obrigada a circular com um suposto assaltante até uma rua pouco movimentada e, dentro do carro, estuprada. Foi abandonada, ferida, no mesmo bairro.

Pelas conclusões da Polícia Civil, após cometer esse crime, Mariano dirigiu até a Helio Pellegrino, onde abordou a segunda vítima da noite. A polícia acredita que o acusado voltava para casa – ele mora no Parque Bristol, próximo ao Jardim Zoológico, também na zona sul – quanto encontrou a terceira vítima, que estava em uma rua do Sacomã. O Uno foi identificado pelas câmeras do sistema Detecta – que armazena as informações de radares de trânsito. Com as placas do veículo, foi possível localizar o dono. 

Os investigadores conseguiram fotografias do suspeito, que foram mostradas às vítimas. As três disseram que ele era seu estuprador. Com isso, o delegado conseguiu o mandado de prisão temporária. 

Com a divulgação de imagens do acusado e do carro, feitas ontem pela televisão, mais três mulheres procuraram o 96.º DP. Todas também reconheceram Mariano como autor dos crimes. Uma sétima, que também procurou a polícia, ainda deve fazer o reconhecimento. 

“Fizemos buscas no carro, no trabalho e em sua casa, mas ainda não localizamos a arma”, disse Gianpaoli. Com a identificação feita por mais vítimas, ele espera transformar a prisão temporária em preventiva – que não tem prazo de expiração e pode durar até ele ser julgado. 

Em um dos casos, familiares da vítima, de 16 anos, vinham tentando, por conta própria, localizar o carro usado pelo criminoso. “A gente até conseguiu, em um comércio, achar uma imagem do Uno passando. Era ele. Mas a imagem era ruim, e não dava para ver a placa”, contou um tio da garota. 

O Estado não conseguiu localizar familiares nem advogado de defesa. Mariano é casado e tem uma filha. Ele já ficou preso por 10 anos por roubo. Foi condenado em Campinas, no interior, e libertado em 2012. A polícia ainda busca informações sobre outra suposta acusação de estupro, anterior à prisão por roubo. Ao se casar, e assumir o sobrenome da mulher, ele teria despistado os policiais na época. Outra investigação é sobre um pedido de prisão determinado pela Justiça mineira. 

Dados. O crime de estupro está em alta no Estado. Há um aumento de 9,2% entre janeiro e julho deste, ante os sete primeiros meses do ano passado. No total, são 6.164 casos. 

Para especialistas, não é possível determinar, sem análise mais aprofundada, que o faxineiro tenha transtorno psicológico. “Na maioria das vezes, o crime é comum e não tem relação com doença mental. Ocorre que o estupro é um crime tão agressivo, tão perturbador, que as pessoas tendem a achar que só pode ser resultado de um transtorno mental”, explica o psiquiatra Daniel Martins de Barros, colunista do Estado.

/COLABOROU GIOVANA GIRARDI

Mais conteúdo sobre:
Violência Violência Contra A Mulher

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.