1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Haddad gasta 17% a mais com ônibus, mas nº de passageiros cai

- Atualizado: 06 Janeiro 2016 | 07h 30

Subsídio ao sistema foi de R$ 2 bi no ano passado, ante R$ 1,7 bi em 2014; viagens caíram de 2,686 bi para 2,659 bi no ano passado

 Pichações e cartazes foram espalhados pela Avenida Paulista, na região central de São Paulo, em protesto contra o aumento das tarifas de ônibus, metrô e trem

 Pichações e cartazes foram espalhados pela Avenida Paulista, na região central de São Paulo, em protesto contra o aumento das tarifas de ônibus, metrô e trem

SÃO PAULO - O subsídio repassado pela Prefeitura de São Paulo aos ônibus aumentou R$ 300 milhões, ou 17%, entre 2014 e 2015. As empresas que operam a frota receberam, até novembro do ano passado, R$ 2 bilhões dos cofres públicos, ante R$ 1,7 bilhão no mesmo período de 2014. Do outro lado, o número de viagens caiu 1% no período, passando de 2,686 bilhões ao longo de 2014 para 2,659 bilhões em 2015. Os dados são da São Paulo Transporte (SPTrans).

O valor pago pela administração municipal é o maior da história da cidade, enquanto o número de passageiros transportados é o menor desde 2009. A previsão é que o subsídio se mantenha em R$ 2 bilhões em 2016, mesmo com o aumento da tarifa de R$ 3,50 para R$ 3,80, a partir de sábado. 

A Prefeitura argumenta que o aumento dos custos é resultado das políticas de incentivos tarifários, como o passe livre estudantil, implementado em fevereiro de 2015, o bilhete único mensal e a gratuidade para desempregados, mas afirma que os recursos extras não se revertem em lucro para os empresários.

Os dados mostram que as políticas de mobilidade pensadas pela gestão Haddad, como o aumento de gratuidades e a implementação de 360 quilômetros de faixas exclusivas, não atraíram mais gente para os coletivos. “Não poderia falar sobre isso sem fazer um estudo adequado, mas o que pode estar acontecendo é que parte das pessoas esteja fazendo menos viagens”, diz o diretor da SPTrans, Adauto Farias, citando a retração econômica.

Confira o preço da passagem de ônibus nas capitais do País
José Patrício/Estadão
Passagens de ônibus nas capitais do País

Várias cidades do País aproveitam o início do ano para reajustar a tarifa do transporte público. Em São Paulo, o anúncio do aumento foi feito pelo prefeito Fernando Haddad (PT) e pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) no fim de 2015. Confira a seguir o preço da passagem nas capitais brasileiras e prepare o bolso:

Aumentos. Em 2012, último ano da gestão Gilberto Kassab (DEM), o subsídio ao sistema de ônibus foi de R$ 960 milhões – ou R$ 1,16 bilhão em valores corrigidos pela inflação. Nas contas da Prefeitura, o ritmo de crescimento do subsídio é resultado de avanço menos intenso do valor da tarifa. De 2011 até agora, a inflação acumulada é de 40,13% (pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo, IPCA), mas o valor da passagem na capital subiu 26,67% no mesmo período. 

A tarifa dos coletivos ficou congelada em R$ 3 de janeiro de 2011 a janeiro de 2014. O bilhete deveria ter sido reajustado em junho de 2013, mas a Prefeitura – e o governo do Estado, responsável pelas tarifas de trens e metrô – recuou diante dos protestos de rua daquele ano. O aumento deste ano ficou em 8,57%, ante inflação acumulada de 10,49%.

Os repasses complementam os recursos arrecadados com a venda de créditos do bilhete único, que dá direito a até três viagens. Segundo os dados da SPTrans, 56% dos custos são pagos pelos usuários e 31% saem dos cofres públicos.

Protestos. O Movimento Passe Livre (MPL) já prepara novo protesto contra o aumento da passagem de ônibus para sexta. O ato começa às 17 horas, com saída do Theatro Municipal, no centro da capital, a poucos metros da sede da Prefeitura.

O evento foi convocado pelas redes sociais e, até as 14 horas desta terça, 12 mil pessoas haviam confirmado presença. O trajeto não foi divulgado pelo grupo organizador.

O MPL também fará atos no Rio e em Belo Horizonte. Na capital fluminense, a tarifa passou no sábado, dia 2, de R$ 3,40 para R$ 3,80, aumento de 11,7%. Na capital mineira, o valor da passagem foi de R$ 3,40 para R$ 3,70 no domingo, alta de 8,82%. Foi o terceiro reajuste em um ano na cidade. 

SPTrans diz que empresas lucram menos

A gestão Fernando Haddad (PT) argumenta que o crescimento do subsídio para os ônibus da cidade não se refletiu no aumento da margem de lucro das empresas de ônibus que operam na capital paulista. Para a Prefeitura, o subsídio não é aos empresários, mas aos passageiros, que pagam tarifa mais barata.

Segundo números apresentados pela São Paulo Transporte (SPTrans), o lucro somado de todas as empresas de ônibus, na média de 2014, foi de R$ 81 milhões por mês. Neste ano, diz a empresa, o lucro caiu para R$ 41 milhões. A queda teria sido possível por meio de aditivos aos contratos vigentes, que foram sendo renovados por causa do atraso na licitação para renovação dos contratos de ônibus, e também pela diferença entre o aumento de custos dos empresários, que foi maior do que o acréscimo na tarifa.

A gestão reconhece que as políticas tarifárias de passe livre para estudantes e desempregados, além do bilhete único mensal, são a principal causa de aumento do subsídio. Admite ainda que essas políticas não atraíram mais usuários para o sistema. Mas afirma que os beneficiários dessas políticas, especialmente as famílias de alunos da rede pública de educação, passaram a ter menos gastos.

Segundo o diretor da SPTrans, Adauto Farias, “levando o raciocínio ao extremo, caso não existisse subsídios e cada pessoa tivesse de pagar por sua passagem integral, o valor da tarifa teria de ser de R$ 5,71. Tenho certeza de que, com esse preço, a queda do número de usuários seria menor”, afirma. A gestão Haddad, frequentemente, ainda defende aumentar impostos sobre combustível para financiar o transporte público.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em São PauloX