1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Guerra não declarada entre polícia e PCC deixa mais 10 mortos em 4 horas

ARTUR RODRIGUES - O Estado de S.Paulo

10 Outubro 2012 | 03h 11

Série de crimes começou com execução de PM em posto de Taboão; assassinatos também ocorreram no Capão Redondo e em Embu

Após o assassinato de um policial militar em Taboão da Serra, na Grande São Paulo, nove pessoas foram mortas a balas e outras seis ficaram feridas na mesma região, entre a noite de anteontem e a madrugada de ontem. Policiais que atuam na área acreditam que a madrugada sangrenta foi uma resposta de PMs à execução do soldado. As mortes deixam ainda mais exposta a guerra entre os policiais militares e o crime organizado, que já havia deixado 15 mortos em cinco dias no litoral paulista.

O soldado Hélio Miguel Gomes de Barros, de 36 anos, foi morto às 21h50 com cerca de seis tiros no peito por homens em duas motos. Estava dentro do carro e não teve não teve chance de defesa.

Meia hora depois, a dois quilômetros de onde o soldado morreu, as Rondas Ostensivas com Apoio de Motocicleta (Rocam) receberam denúncia de que dois homens em uma moto estavam roubando pedestres na cidade vizinha, Embu das Artes. Os PMs disseram ter perseguido e trocado tiros com os assaltantes em uma CG 150. Mataram Rodrigo Neves de Oliveira, de 20 anos, e André Felipe Oliveira Lima, de 16. Mas as testemunhas afirmam que houve execução.

Nos locais dos crimes que se seguiram, todos próximos uns dos outros, testemunhas afirmam que homens passaram de carro atirando. Alguns dos locais são conhecidos pontos de tráfico de drogas. Nos boletins de ocorrência, PMs limitam-se a dizer que foram chamados para atender ocorrências de pessoas baleadas.

Passava da meia-noite quando homens em um Fiat Stilo prateado atiraram em três pessoas que estavam conversando na esquina da Rua Tereza Montez Sanches, em Taboão. As vítimas baleadas tentaram escapar pulando muros de casas. O desempregado Fernando Pereira de Melo, de 23 anos, morreu baleado e foi encontrado na lança do portão de uma residência. Ele não tinha antecedentes criminais, mas os dois baleados tinham passagens por roubo.

À 1h30, quatro pessoas que estavam na Rua Nicolau Gentile, também em Taboão, foram baleadas por homens em um Logus Preto. Fabio Julião Santos, de 32 anos, e José Francisco Gomes, de 31, com passagem por porte de drogas e irmão de um PM, não resistiram.

O último caso foi às 2 horas, novamente em Taboão. Dois homens sem antecedentes, Alex Sandro Pereira, de 29, e Ricardo Evangelista Pereira, de 31, foram mortos na Rua João Antonio da Fonseca. Testemunhas viram um carro preto no local.

Capital. Já na capital, dois corpos não identificados foram encontrados à 1h50 na Rua Barcos Rabelo, no Jardim Irene, zona sul. /COLABORARAM BRUNO RIBEIRO e MARCELO GODOY

  • Tags: