Guarujá terá tratamento completo de água. Mas só depois do verão

Vai ficar para depois da temporada de verão. A construção da Estação de Tratamento de Água (ETA) Jurubatuba, no Guarujá, atrasou e só entrará em operação em abril de 2012. Até lá, a água distribuída nas praias da cidade continuará recebendo apenas cloro e flúor. A expectativa é de que o novo sistema, mais moderno por também possibilitar os processos de filtragem e floculação, reduza o risco de novos surtos de diarreia e falta d'água.

ADRIANA FERRAZ, O Estado de S.Paulo

10 Dezembro 2011 | 03h06

O atraso da obra, em construção no distrito de Vicente de Carvalho, tornou o investimento mais caro. Prevista para custar R$ 75 milhões ao ser iniciada, em 2009, a estação está orçada atualmente em R$ 88 milhões. O investimento é da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), responsável pelo abastecimento na Baixada Santista e pressionada pela Justiça para aprimorar o tratamento na região.

Na temporada de 2010, uma epidemia de diarreia atingiu mais de 10 mil pessoas, entre moradores e turistas. Na época, a qualidade da água começou a ser questionada no município, apesar de nunca ter sido provado que era a causa do surto. Segundo a Sabesp, a água que a empresa distribui já é potável e não oferece risco à saúde.

Mesmo assim, por recomendação da Secretaria de Estado da Saúde, a companhia instalou filtros provisórios na atual ETA Jurubatuba, que abastece os moradores do distrito de Vicente de Carvalho. Do lado das praias, a água, que não é filtrada, recebe adição de cloro e flúor, o que, para a Sabesp, assegura qualidade.

O diretor de sistemas operacionais da Sabesp, Luiz Paulo de Almeida Neto, ressalta que a falta de controle sobre os produtos vendidos nas praias também incide na saúde da população. "Posso afirmar que seguimos o controle do Ministério da Saúde, mas não conheço o controle dos demais produtos, como sorvetes, gelo, sucos e alimentos caseiros. Para se determinar causas, é preciso fazer pesquisa epidemiológica. Acredito que o produto mais seguro, entre esses alimentos, é a água da Sabesp", disse.

Qualidade. Para a Prefeitura do Guarujá, a nova ETA vai "melhorar significativamente a qualidade da água da cidade". Mas, segundo a diretora municipal de Vigilância à Saúde, Ana Terezinha Lopes Plaça, para solucionar o problema a Sabesp precisa ampliar a cobertura de residências com abastecimento de água tratada. "Serviços de saneamento básico incidem diretamente na qualidade da saúde pública."

Segundo Almeida Neto, o atraso na entrega da obra se deu porque os fornecedores não cumpriram os prazos em contrato. "É uma obra de grande complexidade. Nos esforçamos muito para conseguir entregar a estação neste ano, mas tivemos problemas no andamento da obra. Estamos correndo para terminar."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.