1. Usuário
Assine o Estadão
assine
Copa 2014

Grupo ocupa área ao lado da Fan Fest de SP

Bruno Ribeiro - O Estado de S. Paulo

07 Julho 2014 | 21h 24

Eles reivindicam espaço para desenvolver atividades artísticas, esportivas e culturais; grupo tem 50 pessoas

SÃO PAULO - Cerca de 50 pessoas estão dormindo, cozinhando e se banhando bem ao lado da entrada da Fan Fest no Vale do Anhangabaú, centro da capital. Elas estão instaladas em barracas de camping e em lonas amarradas pelas estátuas que compõem o Monumento a Carlos Gomes, nas escadarias que ligam o vale à Praça Ramos de Azevedo.

Os ocupantes são artistas e educadores que trabalham com moradores de rua. Decidiram ocupar o lugar depois de serem despejados da Escola Municipal de Bailado, prédio embaixo do Viaduto do Chá que também havia sido ocupado pelo grupo há cerca de dois meses. Antes de invadir a escola, eles organizavam eventos culturais - sem autorização nem apoio do poder público - em alguns pontos do centro velho.

Erica Dezonne/Estadão
Os ocupantes dizem que não deixarão a área ao lado da Fan Fest enquanto a Prefeitura não liberar um espaço para eles

O lugar funciona como moradia e como um protesto. Os ocupantes dizem que não deixarão a área ao lado da Fan Fest - agora repleto de restos de lonas, panos, móveis e pedaços de madeira - enquanto a Prefeitura não liberar um espaço para eles voltarem a desenvolver suas atividades. “Mas tem ser só a cessão do lugar. A gestão terá de ser nossa”, diz o educador Carlinhos Almeida, de 46 anos, um dos moradores. 

Os artistas dizem que, no espaço, fazem oficinas de desenho, dança do ventre, street dance, cultura africana e de lutas muay thai. 

Sábado passado, dia que a Fan Fest ficou lotada, o acesso à área do acampamento foi isolada por policiais militares. Mas o público tinha de passar ao lado da ocupação para chegar às entradas da festa, onde ocorrem as revistas policiais.

A assistente social Juliana Carvalho dos Santos, de 31 anos, que trabalha na ocupação, diz que o mais novo ali tem 16 anos. É filho de uma mulher que faz parte da ocupação. O mais velho, Orlando Resende, de 67 anos, é artesão. “Ensinava artesanato no Bailado, agora vim para cá e vou ficar com eles”, conta. É o “faxina”, que cuida da limpeza do acampamento.

Quem está negociando com os manifestantes é a Secretaria Municipal de Cultura. O órgão diz que não há possibilidade de ceder espaços para eles. “O único acordo da SMC com os invasores é o de receber sua proposta de atividades culturais - e não de gestão ou ocupação de qualquer outro espaço público - para análise sobre eventual incorporação na agenda dos equipamento”, diz nota do órgão. A Prefeitura não disse como vai solucionar o caso. 

Copa 2014

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo