DANIEL TEIXEIRA/ESTADAO
DANIEL TEIXEIRA/ESTADAO

Alckmin condena a greve dos metroviários de SP

Nas redes sociais, o governador de SP disse que a paralisação reforça a convicção com relação à concessão das Linhas 5 e 17

Renata Okumura, O Estado de S.Paulo

18 Janeiro 2018 | 10h15

SÃO PAULO – O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), publicou vídeo nas redes sociais no qual condena a greve dos metroviários, na manhã desta quinta-feira, 18.

“Essa absurda greve de parte dos metroviários, contrariando decisão judicial de ter 80% dos trens em horário de pico, reforça nossa convicção com relação à concessão das Linhas 5 e 17. A Linha 4, operada pela iniciativa privada, é a única operando normalmente. Queremos ampliar os serviços de trens e metrô, e com melhor qualidade”, destacou Alckmin.

Neste momento, o metrô opera parcialmente. 

Dezenas de estações do Metrô amanheceram fechadas em São Paulo na manhã desta quinta-feira, por causa da greve confirmada em assembleia realizada pelo Sindicato dos Metroviários de São Paulo na noite de quarta-feira, 17. 

O protesto, segundo os sindicalistas, é contra a privatização das linhas 5-Lilás e 17-Ouro, marcada para ocorrer na sexta-feira, 19. A greve deve durar 24 horas, de acordo com o anúncio feito pelos metroviários.

+++ Metroviários de SP marcam greve para quinta-feira

Por causa da confirmação de greve dos metroviários, a Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes (SMT) informou que suspendeu o rodízio municipal de veículos e a cobrança de Zona Azul na capital. Carros com placas final 7 e 8 poderão circular pelo Centro expandido normalmente durante todo o dia. A Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) também reforçou o atendimento à população. No entanto, os ônibus e os trens não estão dando conta de atender a todos.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.