1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Gestores do Sistema Cantareira cancelam uso do volume morto

- Atualizado: 07 Março 2016 | 22h 34

ANA e DAEE revogam autorizações de captação de água das duas cotas da reserva profunda do sistema concedidas à Sabesp em julho e novembro de 2014

Captação do volume morto na Represa Jaguari-Jacareí, em Joanópolis (SP)

Captação do volume morto na Represa Jaguari-Jacareí, em Joanópolis (SP)

SÃO PAULO - No mesmo dia em que o governo Geraldo Alckmin (PSDB) decretou o fim da crise hídrica em São Paulo, os órgãos reguladores do Sistema Canatreira decidiram cancelar as autorizações de captação do volume morto do manancial concedidas à Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) em 2014 para evitar o colapso no abastecimento de água da região metropolitana.

Em resolução conjunta assinada nesta segunda-feira, 7, o presidente da Agência Nacional de Águas (ANA), Vicente Andreu, e o superintendente do Departamento de Águas e Energia Elétrica de São Paulo (DAEE), Ricardo Borsari, revogaram  as autorizações concedidas em julho e novembro de 2014, respectivamente para a captação da primeira e da segunda cota do volume morto do Cantareira, que somam 287,5 bilhões de litros. 

Segundo os órgãos, a decisão está baseada na recuperação dos volumes do Sistema Cantareira observada nos meses de dezembro de 2015 a fevereiro de 2016 e no fato de que simulações de evolução do armazenamento do manancial até dezembro de 2016 "indicam que não haverá necessidade de utilização" da reserva profunda. O documento deve ser publicado nesta terça-feira, 8, no Diário Oficial da União.

Nesta segunda-feira, Alckmin disse que a "questão da água está resolvida" citando que o Cantareira tinha quase 60% da capacidade. O índice, contudo, inclui as duas cotas do volume morto que foram canceladas. Na prática, a decisão da ANA e do DAEE fazem com que os 287,5 bilhões de litros extras, que equivalem 29,3% da capacidade normal do sistema, só voltem a ficar disponíveis para captação mediante nova autorização dos órgãos. 

Segundo balanço divulgado pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), o Cantareira tinha nesta segunda 58% da capacidade, incluindo a reserva profunda. Sem o volume morto, o índice era de 28,7%, patamar que não era atingido desde 22 de dezembro de 2013, antes de a crise ser anunciada. Sem contar a fase crítica, contudo, é o nível mais baixo para o início de março desde 2004, quando o sistema também sofreu estiagem. Março marca o fim do período chuvoso, que começa em outubro.

Em entrevista concedida ao Estado há três semanas, o presidente da Sabesp, Jerson Kelman, defendeu que o volume morto fosse incorporado definitivamente ao sistema. “Não há nenhuma razão para você considerar o tamanho do seu reservatório menor do que na prática você pode usar”, disse Kelman na ocasião. O presidente da ANA, promotores do Ministério Público de São Paulo e especialistas se manifestaram contra a proposta dizendo que a reserva deve ser usada em caso de extrema emergência.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em São PauloX