Geada e caçada na Várzea do Carmo

Hoje o clima não é mais assim, com garoa e frio. Mas, nos idos de 1860, São Paulo viu gente morrer em noite de geada forte no atual Parque Dom Pedro. Foi numa noite dessas que um bêbado adormeceu na rua e amanheceu de corpo gelado na Várzea do Carmo, segundo relato de Álvares de Azevedo. O Tamanduateí, hoje espremido no canal, fazia praias pelo descampado gelado até a Rua 25 de Março. E ao rio se juntavam riachos. Ao saltar um desses córregos, durante uma caçada no Brás, em novembro de 1868, o poeta Castro Alves acidentalmente deu um tiro no pé esquerdo. E abreviou a vida. Mas essa já é uma outra história.

, O Estado de S.Paulo

11 Abril 2010 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.