Frio de 3,4ºC bate recorde durante a madrugada em SP

Mínima foi registrada em Parelheiros; termômetros da região da Avenida Paulista marcaram 8ºC

Ricardo Valota e Daniela do Canto, da Central de Notícias,

03 Junho 2009 | 07h38

A madrugada desta quarta-feira, 3, foi a mais fria do ano. Segundo o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) da Prefeitura, a temperatura medida pela estação meteorológica instalada no bairro de Parelheiros chegou a 3,4ºC às 4h20.

 

Veja também:

link Clima deve ter chuva forte no Norte e geadas no Sul e Sudeste

 

As temperaturas mais baixas desta madrugada foram registradas nas zonas sul e norte da cidade. Os termômetros da região da Avenida Paulista marcaram 8ºC. Na madrugada de terça-feira, 2, a mínima registrada foi de 4ºC, também em Parelheiros.

 

As demais mínimas registradas na capital paulista foram 6,4ºC em Perus (zona norte), 7,1ºC no Jaraguá (zona norte) e 7,8ºC em São Mateus (zona leste).

 

Nas ruas

 

Com o frio, quem saiu de casa durante a madrugada teve de tirar os agasalhos do armário. "O tempo está muito gelado. Pensei duas vezes antes de sair de casa, só resolvi sair mesmo pois já tinha combinado com o pessoal fazia tempo", disse a secretária Maria Vitória da Silva, de 23 anos, que saiu para se encontrar com amigos em um bar na região central de São Paulo. "Mas não deixei de lado o cachecol e um gorro, senão não dá para aguentar", completou.

 

A amiga de Maria Vitória concordou. "Com esse frio todo, para sair de casa só muito bem agasalhada. Estou com três blusas e duas calças. A gente não pode bobear ou pega um resfriado forte, daí fica fora de combate", afirmou a auxiliar administrativa Roberta de Carvalho, de 24 anos.

 

O carregador José da Paz, 44 anos, também passou a madrugada na rua, mas não saiu para se divertir. Ele trabalha na Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp). "Levanto todo dia 1 hora da manhã. É difícil sair do cobertor para vir para cá. Prefiro trabalhar no calor", confessou.

 

Mas há quem ressalte as vantagens de trabalhar em dias mais frios. O feirante José Edivaldo, de 43 anos, disse que chega mais disposto ao trabalho. Ele sai de casa todos os dias à meia-noite e volta só depois das 16 horas. "Com o frio, a gente dorme melhor e acorda mais disposto", explicou. "A única coisa que perturba é ter de por agasalho".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.