Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

São Paulo

São Paulo » Fotógrafo do 'Estado' foi atropelado pela polícia

São Paulo

Fotógrafo do 'Estado' foi atropelado pela polícia

Filipe Araújo registrava a passeata pela redução da tarifa de ônibus em SP, quando uma viatura desviou de sua trajetória para acertá-lo, na Rua Bela Cintra

0

O Estado de S. Paulo

14 Junho 2013 | 18h59

SÃO PAULO - O fotógrafo do Estado Filipe Araújo, que acompanhava as manifestações contra o aumento da passagem de ônibus nessa quinta-feira, 13, em São Paulo, foi atropelado por um carro da polícia enquanto registrava o evento.

Já eram 23h30, a situação estava mais calma, e ele estava com um grupo remanescente de manifestantes que seguia pela Avenida Paulista, em direção à Consolação. "Eles estavam calmos, levantando flores, pedindo paz, não estavam quebrando nada quando a tropa de choque veio pra cima", conta.

Nesse momento, diz Araújo, o grupo correu para a Rua Bela Cintra e ele foi junto. Veja o depoimento:

"Na corrida, eles foram botando fogo em lixeiras para fazer barricadas. Conseguiram fazer unas quatro ou cinco, quando alguns carros da polícia, da força tática da PM, furarAM o bloqueio e foram para cima do pessoal de modo bem truculento. Eu estava na rua, perto da calçada, fazendo fotos da viatura passando por cima do fogo. Nisso, o motorista de outra viatura que estava em outra faixa da rua me viu e virou o carro na minha direção. Ele viu que eu era fotógrafo, mas veio criminosamente para cima de mim. Eu virei de costas, tentei ir para a calçada, mas fui pego. Estava com um capacete de skate, mas machuquei a cabeça. Machuquei as costas, pernas, cotovelo, me ralei todo.

Ainda estava no chão quando uma outra viatura parou ao meu lado. O policial super truculento, mirando a arma para mim, falava: 'levanta daí, levanta daí'. Eu não conseguia. Disse que era fotógrafo, que tinha sido atropelado por um colega dele, que era da imprensa. Aí ele saiu. Foram manifestantes que me socorreram. Fiquei muito revoltado. Estava ali para cobrir, não tinha lado. Ainda mais vendo tudo o que aconteceu. Horas antes, estava com o colega Fábio Braga, da Folha de S. Paulo, na Consolação, quando um policial virou pra gente e mandou sair. Falamos que éramos da imprensa, recuamos, e ainda assim ele atirou. Foi no chão, mas sabia que ia atingir alguém, e de fato atingiu a virilha do Fábio, que depois mais tarde ainda levaria um tiro no rosto."

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.