'Foi uma investigação de natureza política'

O prefeito de Santa Maria, Cezar Schirmer fez severas críticas ao resultado das investigações. Assim que ouviu pelo rádio as conclusões da polícia, Schirmer deixou a prefeitura em direção a sua casa. Lá, reunido com seu advogado, escreveu de próprio punho o conteúdo de um discurso que faria mais tarde a jornalistas.

Entrevista com

O Estado de S.Paulo

23 Março 2013 | 02h02

Na prefeitura, foi recepcionado por assessores, servidores e vereadores da base aliada. Logo se dirigiu à mesa disposta diante de todos. "Esperei calado durante esses 50 dias, na expectativa de que tivéssemos uma investigação isenta e responsável. Hoje fui tomado de surpresa, talvez a maior da minha vida."

O prefeito classificou o resultado da investigação policial como "manipulação política". "Percebi desde logo que prevaleceu a vontade do Estado de exonerar-se de suas responsabilidades, imputando a mim e à prefeitura responsabilidade que não temos, muito menos na dimensão proposta", afirmou Schirmer. "Estamos diante de um absurdo jurídico, de um processo de natureza política e que, como tal, será respondido", ressaltou, antes de aceitar falar rapidamente com o Estado.

O senhor considera que o trabalho não foi isento?

O que tenho a dizer sobre isso já foi dito. Mas farei um acréscimo: estava vendo o número de indiciados. São quatro da prefeitura, dois da banda e os proprietários da boate. Bombeiros são dois ou três. Será que a responsabilidade da prefeitura foi maior que a da banda, dos proprietários da boate e dos bombeiros? Desde o início, vi indícios de manipulação política. Mas me reservo o direito de falar mais no futuro, pois as questões de natureza política não tenho muito claras.

E com relação à responsabilização dos secretários municipais?Rapidamente conversamos e é claro que se eles colocarem seus cargos à disposição vou aceitar a demissão. Mas quero desde já manifestar minha solidariedade e lealdade, pois, até que se prove o contrário, são respeitáveis e dignos.

O senhor foi apontado por improbidade administrativa e homicídio culposo...

O que está nesse documento é que há indícios contra o prefeito. Na verdade, não tem nada. Indícios, até que se prove o contrário, não são nada. Com todo o respeito, isso é uma tese ridícula, um ridículo atroz, uma aberração jurídica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.