Fogo em favela destrói 102 casas

Incêndio deixou 410 desabrigados na zona oeste

Camila Brunelli e Ricardo Valota, O Estado de S.Paulo

28 Julho 2012 | 03h07

Um incêndio de grandes proporções atingiu 102 das 320 casas da Favela Humaitá, no Jardim Humaitá, zona oeste da capital, na madrugada de ontem. Ninguém ficou ferido, mas há 410 desabrigados.

"Não aconteceu nada com ninguém porque, quando a gente viu que estava pegando fogo, todo mundo começou a avisar os vizinhos. O pessoal saiu de casa com a roupa do corpo. Deixamos documentos, móveis, tudo, mas o mais importante é nossa vida", disse a ambulante Andréa Ribas, de 39 anos. A auxiliar de limpeza Risoneide Tenório, de 47, chegou a desmaiar de susto. "Meu esposo me deu um copo de água com açúcar e disse para eu arrumar forças para salvar as nossas coisas."

O incêndio começou por volta das 3h30 e foi controlado cerca de três horas depois. Ainda não se sabe o que provocou o fogo. No local, há várias versões - uma delas é curto-circuito. "Esse período de baixa umidade relativa do ar facilita a propagação do fogo", explicou o coordenador da Defesa Civil, coronel Jair Paca de Lima.

O pedreiro Amilson Soares de Araujo, de 60 anos, disse que há cerca de 15 dias um dos moradores usou uma resistência para esquentar água para tomar banho e só não provocou um incêndio porque os vizinhos foram ajudar. "Pelo jeito, dessa vez foi a mesma coisa, porque ele sumiu."

Araujo morava com a mulher e dois filhos em um barraco que foi totalmente queimado. Por volta das 13 horas, funcionários da Prefeitura ainda realizavam cadastro de moradores para que recebam colchões, cobertores, kit de higiene e cesta básica. Também foram oferecidos café da manhã e almoço.

Lapa. Desabrigados serão inscritos no programa Parceria Social, que prevê subsídio para aluguel. Antes disso, uma parte deles deverá ficar na casa de parentes e outra no Centro Educacional e Esportivo Edson Arantes do Nascimento (Pelezão), no Alto da Lapa. É o caso da dona de casa Ana Cláudia de Lima, de 23 anos, que morava com o marido e três filhos. "Minha família é toda de Alagoas, não tenho ninguém aqui."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.