Filtragem cria lago de carpas com água da pia

Sistema desenvolvido por educador ambiental em casa no Butantã, na zona oeste de São Paulo, é responsável por 50% de economia

Mônica Reolom, O Estado de S. Paulo

19 Outubro 2014 | 03h01

SÃO PAULO - A água usada para lavar a louça escoa pelo ralo, mas não vai para a rede de esgoto. Como se fosse mágica, ela se transforma em um lago límpido e cheio de carpas. Não é o laboratório do Professor Pardal, mas uma casa no Butantã, na zona oeste, onde moram seis pessoas. Lá a economia na conta chega a 50%.

Educador ambiental, o morador Lucas Ciola, de 30 anos, desenvolveu um sistema de filtragem de água com cinco etapas. Da pia, a água escorre por um cano até um galão cheio de fungos e bactérias que consomem a poluição e a transformam em nutrientes. Dali, a água vai para uma caixa com carvão, brita e plantas, que assimilam a poluição como se fosse adubo.

A penúltima etapa é uma caixa d'água com plantas que filtram metais pesados e peixes que comem resíduos sólidos. "Cada caixa é um ecossistema." Por fim, a água cai em um lago criado no quintal, onde carpas nadam tranquilamente. "Entro nessa água todo dia. Com ela, cultivo alface, almeirão e outras hortaliças hidropônicas", afirma Ciola.

A casa recebe visita de escolas que querem aprender o ciclo da água. "Somos cada vez mais 'especialistas' e o que precisamos é interdisciplinaridade. Isso aqui envolve biologia, química, física, comunicação." Reproduzir o sistema em larga escala ainda é utopia. "Precisamos de gente interessada em mudança de hábito."

Solução. Se o sistema de Ciola funciona em casa, a mudança de hábito foi a solução para um prédio na Rua Afonso de Freitas, no Paraíso. Há dois meses, a administradora do condomínio sugeriu distribuir galões entre os 33 apartamentos para recolher água que sai da máquina de lavar para depois usá-la na limpeza das áreas comuns.

A conta baixou de R$ 2.700 para R$ 1.800. "Fiz palestra em um prédio vizinho sobre a medida. Todo mundo deveria adotar", diz o zelador Edilson Oliveira Gomes, de 54 anos.

Mais conteúdo sobre:
Crise da água São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.