Feirantes fazem protesto contra transferência

Feirantes e moradores da região da Consolação ocuparam a frente da Prefeitura de São Paulo e distribuíram frutas e verduras para os pedestres em um ato contra a transferência da feira livre da Praça Roosevelt. Segundo determinação da administração municipal, as barracas que são montadas todos os domingos há 64 anos serão transferidas para o Viaduto Major Quedinho, cerca de 650 metros do ponto original, a partir de domingo.

FABIANO NUNES, O Estado de S.Paulo

31 Julho 2012 | 03h06

Aproximadamente 50 pessoas estiveram na manifestação, segundo a PM. Elas não foram recebidas pelo prefeito Gilberto Kassab (PSD), mas registraram um pedido formal de reunião.

O feirante João Cláudio Quaresma, de 59 anos, vende frutas há 27 na feira. "Não queremos sair da Roosevelt, pois é uma feira tradicional. Vai demorar para as pessoas se acostumarem com o novo endereço." Outro temor é a concorrência com outra feira que ocorre aos domingos na Rua Santo Amaro, a cerca de 700 metros do Viaduto Major Quedinho.

Um projeto de lei do vereador Jamil Murad (PCdoB), que tramita na Câmara, determina que as feiras livres sejam consideradas patrimônio cultural imaterial. "Não vejo um motivo lógico para remover do seu endereço tradicional", disse o vereador.

A Praça Roosevelt passa por revitalização. Segundo a Secretaria de Coordenação das Subprefeituras, a mudança é necessária para que o espaço possa ser usada plenamente. Segundo a secretaria, a mudança da feira levou em consideração a quantidade maior de residências no entorno do Viaduto Major Quedinho. Não haverá alteração no número de bancas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.