Reproducao
Reproducao

Executivo americano é encontrado morto nas margens da Rodovia dos Imigrantes

David Benjamin Sommer, de 50 anos, estava desaparecido desde o dia 11; polícia acredita que ele foi assassinado por gerente de casa de prostituição que frequentava, que está preso

Marco Antônio Carvalho

29 Janeiro 2015 | 18h56

O executivo americano David Benjamin Sommer, de 50 anos, foi encontrado enterrado nas margens da Rodovia dos Imigrantes nesta quinta-feira, 29, em São Paulo. Ele estava desaparecido desde o dia 11, quando foi visto pela última vez entrando em uma casa de prostituição. Um homem confessou ter matado Sommer e foi preso pela polícia. 

Alysson Gonçalves Canuto, de 28 anos, era supostamente o gerente da casa e teve um desentendimento com o americano no dia em que ele desapareceu. À polícia, Canuto relatou ter aplicado um golpe mata-leão no executivo e aplicado soníferos por meio de injeções. A polícia solicitou à Justiça a prisão temporária do suspeito.

A investigação do caso foi iniciada no dia 14, após uma sócia da vítima ter registrado o seu desaparecimento. Sommer morava no Brasil havia nove anos divididos entre Rio de Janeiro e São Paulo e trabalhava para a seguradora Zurich. O americano era divorciado de uma brasileira e morava no bairro da Liberdade. 

A primeira pista da polícia foi alcançada após análise de 30 horas de gravação de câmeras de segurança da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) localizadas na rua da casa de prostituição. As imagens comprovaram a entrada do homem no local, mas não mostraram a sua saída. 

Na mesma semana, o carro do estrangeiro foi encontrado no bairro do Jabaquara, zona sul da capital. Por meio do rastreador do veículo, os investigadores refizeram os últimos passos do executivo e confirmaram a sua passagem pela rua da casa de prostituição.

Nesta quinta-feira,  policiais da delegacia antisequestro do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) cumpriram mandado de busca na casa e começaram a esclarecer o crime. A briga entre Canuto e Sommer teria sido motivada por ciúmes do gerente por uma das mulheres do local com que o estrangeiro tentava manter relações.

De acordo com a polícia, Sommer teria ido a um apartamento no sétimo andar do prédio para consumir cocaína. Nesse momento, teria sido surpreendido por Canuto, que o atacou. O corpo do estrangeiro,  segundo relato do gerente, teria sido retirado do prédio dentro de uma geladeira e levado às margens da Rodovia dos Imigrantes entre os quilômetros 12 e 13. O homem foi enterrado e a geladeira, queimada nas imediações. 

Os investigadores aguardam a conclusão do laudo necroscópico que detalhará as causas para a morte do executivo. O suspeito responderá por homicídio qualificado e ocultação de cadáver. O consulado americano em São Paulo foi informado pela polícia sobre a ocorrência. O DHPP ainda investiga o envolvimento de outras pessoas no crime. "Me parece impossível que Canuto tenha agido sozinho", disse a delegada Elizabeth Ferreira Sato, diretora do Departamento.

Condenações. Canuto possui passagens pela polícia e já havia sido condenado em dois processos criminais. Em 2006, foi considerado culpado de uma acusação de tráfico de drogas na comarca de São Bernardo do Campo, Região Metropolitana de São Paulo, e sentenciado a três anos de reclusão. Quatro anos depois, foi condenado por roubo e dessa vez sentenciado a quatro anos de reclusão na capital. Não há informações disponíveis no sistema do Tribunal de Justiça sobre o trâmite da execução penal do suspeito.

Mais conteúdo sobre:
São Paulo David Benjamin Sommer

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.