Ex-presidente da Vila Isabel pega 23 anos

Em uma sentença de 2 mil páginas, o ex-presidente da escola de samba Unidos de Vila Isabel, Wilson Vieira Alves, o Moisés, foi condenado a 23 anos de prisão pelos crimes de contrabando, formação de quadrilha e corrupção ativa. A decisão foi do juiz da 4.ª Vara Federal de Niterói, André Lenart. Trata-se da maior sentença já imposta até hoje a um dos integrantes da cúpula do jogo do bicho.

CLARISSA THOMÉ / RIO , O Estado de S.Paulo

02 Dezembro 2011 | 03h02

Moisés foi preso em abril do ano passado, depois de ter sido investigado por mais de dois anos pela máfia dos caça-níqueis. Na denúncia, é apontado como "o bicheiro responsável pelos pontos (das máquinas) dos municípios de Niterói e São Gonçalo" e "quem controla nesta região esta atividade criminosa".

Os caça-níqueis também são controlados por bicheiros. O comprovante é um selo colado nas máquinas. Moisés funcionava como representante da "banca", espécie de associação que reúne os mais importantes da cidade. Cabia a ele a venda, a distribuição dos selos e a cobrança. Se um comerciante tivesse máquina sem selo no seu estabelecimento, o equipamento era apreendido pelos seguranças (policiais militares e civis) de Moisés até que fosse efetuado o pagamento do resgate. "Era um esquema criminoso, típico de um sistema 'mafioso' e que tem a adesão de membros das instituições policiais", diz a sentença.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.