Ex-comandantes apontam falhas na ação da polícia

O Estado consultou coronéis sobre a ação de ontem do Comando de Policiamento de Choque (CPChoq). Planejamento e controle da tropa explicam o sucesso ou o fracasso de uma operação. É com base nisso que dois ex-comandantes-gerais da PM apontaram falhas na ação. "Se o objetivo era impedir que a manifestação chegasse à Paulista, a operação falhou. E a falha foi de planejamento ou de execução." Outro coronel criticou o fato de o trânsito da Rua da Consolação em direção ao centro não ter sido interrompido, o que fez com que motoristas fossem pegos em meio ao confronto entre manifestantes e policiais - a violência no protesto era previsível pelo histórico dos atos anteriores. "A área deveria ter sido mais bem isolada." Outra falha foi permitir que os manifestantes fossem da Praça Ramos de Azevedo até a Praça Roosevelt, pois ali a possibilidade de dispersão era maior. "E, quando ocorre dispersão, a baderna começa." Abre-se, de acordo com o coronel, o caminho para ações de PMs sem o controle do comando e de manifestantes violentos. Outro coronel, José Vicente da Silva, disse que a operação teve êxito em razão de seu risco e complexidade. Mas admitiu a hipótese de falhas de coordenação entre unidades e de policiais do patrulhamento das ruas sem o treinamento adequado para controlar distúrbios.

CENÁRIO: Marcelo Godoy, O Estado de S.Paulo

14 Junho 2013 | 02h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.