Ex-atleta terá de entregar filho ao pai americano

A ex-jogadora de vôlei mineira Hilma Aparecida Caldeira, medalhista de bronze com a seleção brasileira na Olimpíada de Atlanta, em 1996, é acusada pelo ex-marido, o norte-americano Kelvin Birotte, de ter sequestrado o filho deles, K., de 4 anos, nascido nos Estados Unidos.

Jozane Faleiro, O Estado de S.Paulo

24 Abril 2010 | 00h00

O processo, feito com base na Convenção de Haia de sequestro de crianças, corre desde 2006. No dia 14, o juiz substituto da 19.ª Vara da Justiça Federal em Belo Horizonte, João Cesar Otoni de Matos, determinou que o menino seja devolvido ao pai até a próxima quinta-feira.

Os advogados de Hilma entraram com recurso no Tribunal Regional Federal (TRF), em Brasília, pedindo um habeas corpus para que o menino fique no Brasil até que se encerre a discussão. "Hilma está muito abalada com a ideia de ter de entregar o filho", disse o advogado Gilberto Antonio Guimarães, que defende a ex-jogadora há quatro anos.

Hilma decidiu viajar ao Brasil com o filho de 8 meses, com uma autorização assinada pelo pai. Menos de um ano depois, o casal se separou e a justiça brasileira concedeu a guarda da criança a Hilma. O pai recorreu à justiça nos Estados Unidos.

Procurada, Hilma não atendeu os telefonemas. O consulado norte-americano no Rio afirma que o pai da criança está no Brasil e o caso está sendo acompanhado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.