Ex-assessor de Lu Alckmin foi morto por adolescentes, diz polícia

Dois suspeitos estão apreendidos pelo crime; segundo investigadores, jovem disse que atirou por acreditar que vítima era policial

Marco Antônio Carvalho, O Estado de S.Paulo

19 Setembro 2016 | 20h24

SÃO PAULO - O servidor da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) e ex-assessor da primeira-dama do Estado, Lu Alckmin, Roberval Andrade Nucci, foi morto por adolescentes de 17 anos durante uma tentativa de assalto, segundo investigação das polícias Civil e Militar. Um deles havia sido apreendido na sexta-feira, 16, e o outro já estava detido por outro crime que cometeu na semana passada.

Nucci, de 47 anos, foi assassinado no feriado de 7 de setembro, quando foi abordado no bairro da Lapa e criminosos tentaram roubar sua moto. Nesta segunda-feira, 19, foi divulgado que o adolescente suspeito de ser o autor do homicídio disse ter pensado que a vítima fosse um policial e que iria reagir ao assalto.

A mulher de Nucci, que testemunhou o crime, disse, no entanto, que não houve qualquer sinal de reação antes de o servidor ser atingido com um tiro na cabeça. 

O primeiro suspeito foi localizado após denúncia anônima feita à Polícia Militar, que o encontrou no Jardim Vista Alegre, na zona norte da capital. O jovem confessou participação no roubo, mas negou ter atirado em Nucci. Na oportunidade, disse que um comparsa disparou "por maldade".

Após a apreensão, policiais do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) descobriram que o segundo envolvido já havia sido detido no dia 12 de setembro.  “Ele foi apreendido por outros crimes, como furtos. No dia 12 ele foi apreendido com vítimas em poder dele dentro de um veículo”, informou o delegado Antônio José Pereira, responsável pelas investigações, em nota divulgada pela Secretaria da Segurança Pública. 

A moto usada no dia do assassinato era roubada, segundo a polícia, e foi encontrada, no dia 10, perto da casa dos adolescentes, também na zona norte. Ela foi devolvida ao proprietário.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.