Felipe Rau|Estadão
Felipe Rau|Estadão

Estação da Luz vai ficar fechada por tempo indeterminado

Organização Social responsável pela administração do museu terá de fazer escoramento de parede queimada pelo incêndio que atingiu o local na segunda-feira e corre o risco de cair sobre as plataformas de embarque

Rafael Italiani e Fabiana Cambricoli, O Estado de S. Paulo

23 Dezembro 2015 | 12h11

Atualizada às 19h30.

SÃO PAULO - A Defesa Civil da Prefeitura de São Paulo decidiu nesta quarta-feira, 23, que a Estação da Luz vai ficar interditada para passageiros e trens, por tempo indeterminado, até que a Organização Social IDBrasil, que administra o Museu da Língua Portuguesa em parceria com a Secretaria da Cultura, atenda a uma série de pedidos e medidas do órgão e do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT). O ramal atende cerca de 300 mil passageiros por dia.

A entidade terá de fazer obras de escoramento na parede interna da área afetada pelo incêndio que destruiu o Museu da Língua Portuguesa, localizado no mesmo prédio, na segunda-feira. Segundo a Prefeitura, existe um risco de que a estrutura caia sobre as plataformas de embarque e desembarque dos trens.

Além disso, também deverá ser feita a retirada total dos escombros e das estruturas de madeira da cobertura da área atingida. O madeiramento pressiona as paredes queimadas da estação. As decisões foram tomadas pela prefeita em exercício, Nádia Campeão (PC do B), e a Defesa Civil.

A Praça da Luz vai permanecer fechada para carros, e a calçada da estação ficará interditada. Um esquema de trânsito será desenvolvido pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET).

Em evento na manhã desta quarta, 23, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) não definiu o prazo para a realização das intervenções na estação. Ele afirmou que o governo está levantando a relação de empresas capazes de fazer o serviço.

"Eu designei o Saulo de Castro Abreu Filho, que é secretário de governo, para coordenar todo esse trabalho, que envolve secretaria de Cultura, Transportes Metropolitanos, Segurança Pública, Procuradoria-Geral do Estado, envolve um conjunto de ações do Estado. Hoje, o secretário (dos Transportes Metropolitanos) Clodoaldo (Pelissioni) já vai verificar quais empresas têm preparo para fazer esse trabalho, fazer uma análise de custos para a gente fazer o mais rápido possível o escoramento das paredes e a retirada dos escombros. Agora à tarde nós vamos saber o tempo que isso leva", disse Alckmin.

Sobre a investigação das causas do incêndio, o governador afirmou que o laudo da Polícia Técnico-Científica vai sair em, no máximo, 15 dias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.