ESPM abre curso de tecnologia com duração de 4 anos

É difícil imaginar qual será a próxima revolução tecnológica e quando ela invadirá nossa vida, mas é forte a sensação de que as últimas transformações nessa área ocorreram rapidamente, em um ritmo difícil de acompanhar. Pesquisadores têm se esforçado para tentar imaginar como poderemos lidar com esse novo ecossistema. Empresas já têm sentido uma lacuna de profissionais com esse trânsito.

Paulo Saldaña, O Estado de S.Paulo

07 Abril 2014 | 02h04

Com um olho no mercado e outro nessa transformação, a Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) de São Paulo acaba de criar o curso de Sistemas da Informação. É a primeira aposta da instituição - já renomada em comunicação e administração - na área de tecnologia. A proposta é que, além de ter conhecimento de programação e desenvolvimento de algoritmos, esse profissional possa compreender as necessidades das pessoas que usam tecnologia no cotidiano.

A graduação, de quatro anos de duração (os dois primeiros são em período integral), tem sido pensada desde 2010. "O perfil do aluno é o que chamamos do 'curioso digital', aquele cara que quer saber como fazer", explica o coordenador do curso, Rodrigo Tafner. "Queremos formar um profissional que consiga navegar em diferentes áreas, que tenha visão de oportunidades."

Segundo Tafner, a grade do curso foi desenhada para dialogar com categorias importantes no mundo digital, como as redes sociais, banco de dados, computação em nuvem e mobilidade. A grade básica de Sistemas da Informação exigida pelo Ministério da Educação foi concentrada em metade do curso, para que outros saberes fossem explorados no restante. Assim, o aluno poderá escolher entre três áreas: gerenciamento de games, aplicativos ou negócios digitais - em um sistema de disciplinas optativas.

Parcerias com empresas vão possibilitar a aproximação dos alunos com o mercado em várias atividades. Apesar de ser integral no início, as aulas diárias só começarão às 9h20 - para atender às necessidades dos notívagos que são aficionados por tecnologia. A primeira turma, de 50 alunos, será iniciada no próximo semestre.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.