Escola é incendiada e caixa eletrônico violado em Mogi-Guaçu(SP)

Crimes ocorreram entre à 0h50 e 2h30 desta madrugada; dois suspeitos foram detidos

Ricardo Valota, do estadão.com.br,

21 Dezembro 2011 | 04h51

SÃO PAULO - A madrugada desta quarta-feira, 21, em Mogi-Guaçu, região de Campinas, a 160 quilômetros da capital, no interior paulista, foi agitada, com duas ocorrências em menos de duas horas obrigando o deslocamento de viaturas do 26º Batalhão de Policiamento Militar Interior (BPM/I).

 

Os mesmos policiais que preservavam, à espera de perícia, o interior de uma escola, alvo de vândalos incendiários, foram acionados para dar apoio a uma segunda viatura, que deslocava-se até o bairro do Areião, onde criminosos haviam arrombado um caixa eletrônico do Bradesco instalado num quiosque em frente ao Supermercado Big Bom, na Rua Mogi-Mirim.

 

Por volta das 2h30, uma testemunha, ao ver dois homens deixando o caixa em posse de dois malotes, ligou para o 190. A dupla, que era aguardada pelo comparsa que estava ao volante de um Gol vermelho, usando uma furadeira, entrou pela parte de trás do quiosque, abriu a máquina e retirou os malotes. O trio conseguiu fugir.

 

Outros dois veículos, um Fiat Siena prata e um Fiesta Sedan preto, este último com dois homens, também foram vistos deixando o local. Os policiais de uma viatura do 26ºBatalhão que havia saído de Campinas e já estava próximo de Mogi-Guaçu, com os dados em mãos, abordaram um Fiesta Sedan semelhante ao descrito pela testemunha e pararam o veículo no acesso à rodovia SP-340.

 

Dentro do carro foram encontradas várias ferramentas, entre eles um pé de cabra. Os dois suspeitos foram encaminhados para a Delegacia Secciona, no centro de Mogi-Guaçu, onde seria ouvidos pelo delegado. O Fiat Siena prata e o Gol vermelho continuam desaparecidos. Pelo menos cinco homens estariam envolvidos no ataque ao caixa eletrônico.

 

Escola. Era 0h50 quando a diretora da Escola Estadual Padre Longino Vastbinder, localizada na Rua Itatiba, no Jardim Itacolomi, também em Mogi-Guaçu, ligou para o 190 informado que o alarme do estabelecimento de ensino havia disparado. Ao se deslocaram até a escola, os policiais constataram que não se tratava de um furto, mas sim de um incêndio, possivelmente criminoso, na secretaria da escola. Os bombeiros foram acionados, mas não chegaram a tempo de evitar a destruição total da secretaria. Acredita-se em incêndio criminoso, pois algumas lixeiras de ruas próximas à escola também foram incendiadas praticamente no mesmo horário. Nenhum suspeito foi detido até o momento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.