Escada dificulta acesso de famílias à ciclovia

Escada dificulta acesso de famílias à ciclovia

Ciclistas aprovam a pista, mas os degraus para atravessar a passarela ao lado da Estação Vila Olímpia são obstáculos para crianças e mulheres

Ana Bizzotto, O Estadao de S.Paulo

03 Abril 2010 | 00h00

Passear na Ciclovia do Rio Pinheiros parece simples. Mas alcançá-la pela passarela vizinha à Estação Vila Olímpia da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), onde fica uma de suas extremidades, torna-se tarefa árdua para os ciclistas por causa dos quatro lances de escada. A operação fica ainda mais complicada para mulheres e pais com crianças pequenas.

O garoto Arthur, de 2 anos, quase caiu quando o pai se preparava para subir com ele nos ombros e a bicicleta nas mãos. Apesar do susto, o dentista Sérgio Ribeiro, de 45 anos, não desistiu do primeiro passeio na ciclovia. "Ele é teimoso", disse a mulher, Fabiana Florio, de 39.

"Há dificuldade de acesso, só que, se me proponho a fazer algo, dificilmente volto atrás. Mas a situação pode desanimar outros pais", disse Ribeiro. Ele aprovou o passeio, mas lamentou a falta de acessos. "Se ocorre um acidente no caminho, estamos longe das saídas."

O empresário Luciano Prates, de 37 anos, que também estreou a pista ontem, enfrentou dificuldades para subir as escadas com os filhos Gabriel, de 9, e Kaio, de 11, e sua mulher, Munik Rodrigues, de 23. Ele teve de deixar a bicicleta ao lado da escada para ajudar o caçula. "A pista é ótima, mas o acesso é difícil para as crianças. É complicado porque a gente já chega cansado após percorrer os 14 quilômetros", conta. "Deveriam fazer rampas para deixar a subida mais suave e dar acesso aos cadeirantes."

Frequentadora da ciclovia desde a inauguração, em fevereiro, a publicitária Maitê Russo, de 31 anos, também criticou o acesso e a largura das canaletas criadas para transportar as bicicletas. "Temos de fazer força para subir e descer, e as canaletas são estreitas. Nos fins de semana fica congestionado, igual à Marginal", brinca.

Acessos. A ciclovia de 14 quilômetros liga a Avenida Miguel Yunes, em Interlagos, à Vila Olímpia, onde é preciso subir e descer as escadas. Nos outros dois acessos, um na Avenida Miguel Yunes e o outro, provisório, inaugurado anteontem na Estação Jurubatuba, a entrada da pista é no nível da rua. A CPTM informou que já fez adaptações no acesso da Vila Olímpia. E pretende inaugurar até o fim do ano uma passarela entre a ciclovia e a Jurubatuba. Estão previstos acessos pela Estação Santo Amaro e perto da Ponte Octavio Frias Filho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.