1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Engenheiro exigia R$ 10 mil por anistia

ARTUR RODRIGUES - O Estado de S.Paulo

20 Março 2013 | 02h 01

Servidor foi preso por achaque durante processo de regularização de imóvel

Um engenheiro civil da Prefeitura de São Paulo é acusado de extorquir R$ 10 mil para facilitar a regularização de um imóvel. O funcionário Eduardo Tadayoshi Kawai é o terceiro servidor municipal preso por corrupção somente neste mês.

O funcionário trabalhava no Departamento de Aprovação de Edificações (Aprov), onde atuava Hussain Aref Saab, que foi acusado no ano passado de acumular 125 imóveis com dinheiro de propina. A vítima entrou em contato com o Departamento de Polícia de Proteção à Cidadania (DPPC), afirmando que Kawai havia cobrado R$ 10 mil para regularizar um imóvel.

O processou tramitava com base em leis de anistia desde 2003 até chegar ao Grupo Técnico Especial de Análise (GTEA), onde Kawai trabalha. A vítima esperava para regularizar um imóvel na Estrada de Taipas, na zona norte, que estava registrado com cerca de 100 metros quadrados e na verdade tinha aproximadamente 600 m².

"Esse engenheiro solicitou R$ 10 mil para aprovação. Caso contrário, ele disse que tinha 8 mil processos empilhados e o processo da vítima, de primeiro, passaria a ser último", disse o delegado Sérgio Norcia, titular da 1.ª Delegacia de Crimes contra a Administração Pública do DPPC.

Ao longo da negociação, segundo a polícia, Kawai aceitou uma contraproposta no valor de R$ 8 mil. A vítima marcou para entregar metade do valor, um maço de notas marcadas pela polícia, em um bar na Rua São Bento. Quando saía com o dinheiro, acabou preso pelos policiais civis. Ele não reagiu.

O servidor ocupava o cargo de especialista em desenvolvimento urbano e recebia salário bruto de cerca de R$ 3 mil. O Estado não localizou o advogado dele.

A Controladoria Geral do Município (CGM) foi acionada para ajudar na identificação suspeita e acompanhou a operação. Após a prisão, a CGM pediu a apreensão de computador e documentos do servidor que possam auxiliar posteriormente nas investigações.

Via rápida. A Prefeitura informou que já abriu inquérito administrativo especial, a chamada via rápida, por se tratar de uma prisão realizada em flagrante. O prazo para o fim da apuração administrativa é atualmente de 60 dias. Ao fim desse período, o homem pode ser demitido. O Ministério Público também vai investigar o caso.

A Prefeitura negou pedido de entrevista com representante do Município sobre mais um caso de corrupção na Secretaria Municipal de Habitação. Na semana passada, dois funcionários da Subprefeitura de Santo Amaro, na zona sul da capital, acabaram presos, depois de um trabalho de pesquisa da CGM.

Eles foram flagrados recebendo R$ 40 mil de um empresário, que havia denunciado a cobrança de propina. A dupla havia embargado uma obra executada pelo empresário e cobrado R$ 97 mil para regularizá-la. /COLABOROU MARCELO GODOY

  • Tags: