Empresário é executado a tiros na Lagoa, zona sul do Rio

Dono de uma das maiores empresas de andaime do País, ele havia registrado queixa de ameaça feita por ex-funcionários

Pedro Dantas do Rio, O Estado de S.Paulo

15 Abril 2010 | 00h00

O empresário Rogério de Souza Werneck da Silva, de 52 anos, dono da Jirau Andaimes, uma das principais empresas do setor, foi morto anteontem à noite com seis tiros quando chegava a seu prédio, na Lagoa, zona sul do Rio. A Polícia Civil acredita que o crime tenha sido motivado por uma vingança.

Há um ano, a vítima tinha registrado queixa na 17ª Delegacia de Polícia de São Cristóvão por ameaça contra quatro funcionários demitidos por justa causa. Os ex-empregados já estão identificados e serão chamados para prestar depoimento ainda esta semana na Divisão de Homicídios (DH), que investiga o caso.

O circuito de segurança do prédio registrou o crime. As imagens mostram que o empresário chegou ao prédio, situado na Avenida Borges de Medeiros, por volta das 18h30. No local, havia um homem de capacete em uma moto, que chegou 15 minutos antes.

Armado com uma pistola, o assassino desceu da moto e efetuou os disparos sem reação da vítima. Nenhum pertence foi levado. Funcionários do prédio testemunharam a execução. Um deles assumiu a direção do carro e levou Werneck até o Hospital Miguel Couto, onde ele morreu alguns minutos depois.

"Temos conhecimento das ameaças, mas nenhuma linha de investigação foi descartada até que se saiba o que culminou na morte da vítima", disse o delegado titular da DH, Felipe Ettore.

Família. Parentes e amigos do empresário também serão chamados para prestar depoimentos. Os pais da vítima tiveram uma crise nervosa e foram levados para o Hospital Pró-Cardíaco. O empresário foi enterrado na tarde de ontem no Cemitério São Francisco Xavier, no Caju. Uma das maiores empresas do setor, a Jirau atua na locação de andaimes para grandes obras nos Estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Rio Grande do Sul e Espírito Santo e também representa uma empresa belga de andaimes elétricos.

Esta não foi o primeiro assassinato de um empresário na Lagoa. Em 2004, no mesmo bairro, o ex-presidente da Associação Nacional de Instituições do Mercado Financeiro (Andima), Concetto Mazzarella, de 62 anos, foi morto com dois tiros por duas mulheres em uma tentativa de assalto ao prédio em morava. Na ocasião, o porteiro também foi baleado no peito. O Comandante do 23º Batalhão de PM do Leblon, Rogério Leitão, informou que reforçará as rondas de policiais em motocicletas no bairro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.