JF Dorio/Estadão
JF Dorio/Estadão

Empresa rebate críticas e culpa ‘evento climático’

Vice-presidente de operações da empresa afirma que número de equipes passou de 307 para 963 e, mesmo assim, foi insuficiente

Rafael Italiani, O Estado de S. Paulo

21 Janeiro 2015 | 21h02

SÃO PAULO - O vice-presidente de operações da AES Eletropaulo, Sidney Simonaggio, rebateu as declarações do secretário estadual de Energia. “Nós estranhamos as críticas, até porque entregamos um relatório bastante claro daquilo que aconteceu, das providências imediatas que tomamos e das propostas que encaminhamos”, ressaltou.

Simonaggio voltou a culpar a chuva. “Nós tivemos um evento bastante atípico neste fim de ano e uma quantidade muito grande de árvores, associada a galhos e todos os demais objetos, foi jogada na rede. Nós lançamos mão de todas as equipes que tínhamos para trabalhar.”

Ainda de acordo com ele, em dias normais, a empresa tem 307 equipes de emergência - no verão, são 800. Nos últimos dias, a concessionária disse que chegou a ter 963 equipes na rua. 

Simonaggio disse que no ano passado a concessionária podou 140 mil árvores e garantiu que, entre 30 e 90 dias, mais 200 mil podas serão feitas. De acordo com ele, as tempestades fizeram com que, em 15 dias, a empresa fizesse o trabalho que costuma ser “diluído ao longo do ano”.

Sobre os problemas de atendimento, o executivo explicou que muitas pessoas ligaram ao mesmo tempo “tendo algum congestionamento” no call center. Em nota, a empresa ainda afirmou que 91% das reclamações do Procon foram causadas por “eventos atípicos climáticos”.

Mais conteúdo sobre:
São Paulo Eletropaulo falta de energia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.