Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

São Paulo

São Paulo » Em apenas 2 semanas, nível do Cantareira sobe mais de 10 pontos

São Paulo

Rafael Arbex/Estadão

Em apenas 2 semanas, nível do Cantareira sobe mais de 10 pontos

Sistema vive melhor sequência positiva desde o início da crise hídrica e opera com 41,8% da capacidade, segundo a Sabesp

0

Felipe Resk,
O Estado de S.Paulo

20 Janeiro 2016 | 10h08

SÃO PAULO - Em meio à maior sequência positiva registrada desde o início da crise hídrica, o volume armazenado do Sistema Cantareira subiu mais de 10 pontos porcentuais em apenas duas semanas, segundo boletim divulgado pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). Mesmo sem chover bem há quatro dias na região, o manancial acumulou a 49ª alta seguida nesta quarta-feira, 20. Dos demais sistemas, o Alto Tietê e o Rio Claro também tiveram aumento.

Responsável por abastecer 5,2 milhões de pessoas na capital e na Grande São Paulo, o Cantareira opera com 41,8% da capacidade, de acordo com cálculo tradicional da Sabesp. O índice é 0,6 ponto superior ao do dia anterior, quando estava com 41,2%, e considera duas cotas do volume morto como se fosse volume útil do sistema.

Sem registrar queda desde o dia 22 de outubro, o Cantareira está há quase três meses sem perder água represada. Nos últimos dias, o sistema conseguiu engrenar aumentos recordes e subiu 10,2 pontos porcentuais em apenas duas semanas - no dia 6 de janeiro, o nível estava em 31,6%. Já a última vez que o manancial ficou estável foi em 2 de dezembro, com 19,6%.

A pluviometria do dia foi de 0,2 milímetro, o que elevou o valor acumulado de chuva para 180,5 mm até o momento. O índice está cerca de 6% acima do esperado para os primeiros 20 dias do mês, caso a média histórica de 8,5 mm por dia em janeiro estivesse se repetindo.

Outros fatores, como a diminuição da retirada de água do sistema pela Sabesp, o racionamento e a redução do consumo, ajudam a explicar a recuperação gradual do Cantareira, que saiu do volume morto no fim de 2015.

A situação do sistema, no entanto, ainda é considerada preocupante. Segundo o índice que calcula a reserva profunda como volume negativo, o manancial está com 12,5% da capacidade. Já o terceiro índice está em 32,3%.

Outros mananciais. Atual responsável por atender o maior número de clientes da Sabesp (5,8 milhões), o Guarapiranga ficou estável em 86,4%, após ter registrado alta no dia anterior. O Alto Cotia também não sofreu variação e está com 99,5% do volume armazenado. 

O Alto Tietê subiu 0,1 ponto porcentual, passando de 28,8% para 28,9% - índice que já considera um volume morto acrescentado ao cálculo no final de 2014. Proporcionalmente, o Rio Claro teve alta maior: 0,5. Após o aumento, os reservatórios operam em 79,9%.

Já o Sistema Rio Grande foi o único a sofrer queda, de 0,4 ponto porcentual. Com a baixa, o manancial desce de 93,7% para 93,3%. 

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.