Eletropaulo tem 10 dias para resolver cortes de luz na capital paulista

Agência reguladora abriu auditoria na empresa após as frequentes quedas de energia registradas na capital desde 29 de dezembro

Paula Felix, O Estado de S. Paulo

09 Janeiro 2015 | 22h41

SÃO PAULO - A Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo (Arsesp) deu uma prazo de dez dias para a AES Eletropaulo resolver o problema de atendimento e abriu uma auditoria para verificar as operações da empresa. O trabalho, anunciado nesta sexta-feira, 9, pela Secretaria Estadual de Energia, foi motivado pelas frequentes quedas de energia na região metropolitana de São Paulo, desde as chuvas do dia 29 de dezembro.

A demora no atendimento de uma ocorrência no Hospital e Maternidade Amador Aguiar, em Osasco, na última segunda-feira, também foi um fator que influenciou a realização da auditoria. A maternidade ficou dez horas sem luz, das quais cinco horas com o gerador funcionando. O equipamento apresentou uma falha e dois bebês que estavam em incubadoras precisaram receber ventilação manual.

“A Arsesp já iniciou nesta sexta uma verificação em todas as atividades da Eletropaulo. Durante os próximos 15 dias, ela vai fazer uma inspeção profunda”, explicou o secretário estadual de Energia, João Carlos de Souza Meirelles. “Já estava programada uma auditoria mais longa, mas antecipamos isso a partir do incidente em Osasco.”

O secretário se reuniu na manhã desta sexta com a diretoria da concessionária para discutir medidas que devem ser adotadas nos próximos dez dias para melhorar o serviço de fornecimento de energia.

“Tivemos uma reunião para falar para eles sobre o enorme desconforto do Estado, que não pode conviver com esse tipo de incidente”, destacou Meirelles. Ter um número de profissionais adequado para atender ocorrências em cada período do dia - a quantidade não foi informada pela pasta -, manter um cadastro de clientes preferenciais, como hospitais, e interligar o call center da empresa aos agentes de atendimentos, que devem ser feitos com transparência, são os três pontos que devem ser trabalhados pela concessionária até o dia 19.

Terminado o prazo, será realizada uma nova reunião entre a empresa e a secretaria. O secretário disse ainda que será avaliada a redução do número de equipes que trabalham na concessionária nos últimos quatro anos, que pode ter prejudicado a eficácia do serviço. Os dados não foram divulgados.

Convênio. Nesta sexta, foi assinado um convênio entre a Arsesp e o Procon para que a agência informe as ocorrências de queda de energia que não forem solucionadas para o órgão de defesa do consumidor. “O Procon já está atuando desde o fim da semana retrasada em função dos eventos ocorridos a partir do dia 29 de dezembro. O órgão poderá tomar medidas extrajudiciais e judiciais. O resultado dessa auditoria poderá também produzir penalizações para a AES Eletropaulo”, acrescenta.

A AES Eletropaulo não comentou a redução do número de equipes nem as ações que deve adotar nos próximos dez dias para seguir as recomendações da pasta.

“A AES Eletropaulo informa que fornecerá as informações solicitadas pela Secretaria de Energia”, disse, em nota.

Mais conteúdo sobre:
Eletropaulo luz São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.