Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

São Paulo

São Paulo » Eles também fazem a sua parte quando se trata de meio ambiente

São Paulo

Tiago Queiroz/Estadão

São Paulo

Maju

Eles também fazem a sua parte quando se trata de meio ambiente

Personalidades contam o que mudaram nos pequenos hábitos do dia a dia para levar um estilo de vida mais consciente e sustentável

0

Mônica Reolom,
O Estado de S. Paulo

24 Janeiro 2016 | 20h08

Escritores, atores, apresentadores, músicos - eles também fazem a diferença em relação ao meio ambiente. Personalidades paulistanas - ou que escolheram a capital paulista para morar - transformaram pequenos hábitos do dia a dia com o intuito de tornar mais sustentável a metrópole conhecida pelo excesso de concreto.

"Tento colocar em prática a política dos '3 Rs': reduzir, reutilizar e reciclar", afirma Maria Júlia Coutinho, a Maju, apresentadora da previsão do tempo do Jornal Nacional. "Diminuir o consumismo é um dos meus focos. Roupa, por exemplo, compro peças básicas, de qualidade, e as uso até não dar mais. Também procuro produtos que causem o menor impacto possível ao ambiente e que garantam emprego decente aos produtores", exemplifica ela.

A também apresentadora Sabrina Sato diz que adaptou sua rotina para gastar menos energia em casa. "A gente precisa ter consciência do nosso impacto no meio ambiente, por isso mudei algumas atitudes de uns tempos para cá. Antes eu corria na esteira, agora prefiro correr pelo bairro ou subir as escadarias do Sumaré (zona oeste)", ressalta. Sabrina diz também que, durante o dia, deixa todas as janelas de casa abertas para aproveitar a luz do dia.

A atriz Sophia Abrahão, que mora nos Jardins, diz acreditar que, "por menores, todas as atitudes para tentar melhorar o planeta são válidas". Sophia conseguiu reduzir o consumo de água e luz na minha casa no último ano. "Reutilizo a água do banho e também evito usar meios de transportes quando posso fazer coisas pelo meu bairro à pé", conta ela.

Já o cantor Nasi, do grupo Ira!, afirma que nunca tirou carta de motorista, o que o ajuda a manter uma vida saudável - ao menos em termos de emissão de gases poluentes. "Eu procuro usar Metrô, o que eu posso fazer caminhando eu faço e quando, não tenho opção, saio preferencialmente de carona com amigos ou com a minha mulher", explica. "São Paulo já está em pleno caos e com isso você abrevia sua vida. Não é só a poluição, a violência, a criminalidade, é o tempo que você perde na sua vida, para andar poucos quilômetros você perde horas".

O músico Marcelo Jeneci, nascido e criado no extremo da zona leste, diz que busca se aproximar de um tipo de vida "mais arcaica" com suas atitudes diárias. "Sempre que posso resolver coisas a pé, resolvo. Tomo banho ecológico, esse de fechar o chuveiro para se ensaboar", explica. "Quando vou ao supermercado, não pego sacolas plásticas, levo sempre uma bolsa e, na hora de escolher frutas, verduras e legumes, boto tudo junto, sem sacola".

O "banho ecológico" o aproxima do maestro Julio Medaglia, morador do Morumbi, na zona sul. Medaglia, no entanto, atribui a economia de água, cuja conta custa em média R$ 45 por mês (ante R$ 1 mil de casas na vizinhança) à mulher. "Tenho uma general aqui em casa, ela é terrível, é a Angela Merkel do bairro. Água corrente na calçada - nem pensar. É um rigor fora do comum, em razão da consciência dela, que é alemã e nasceu em 1943, durante a II Guerra Mundial", salienta.

Ativismo. A atriz Eva Wilma participa de associações que visam a resguardar a natureza e os equipamentos culturais do bairro Itaim-Bibi, onde mora há 35 anos. "O mais importante em São Paulo é a preservação do verde, da natureza, e dos lugares históricos e educacionais", afirma Eva.

A atriz é o símbolo do bairro e, especialmente, do "quarteirão da cultura" do Itaim, que reúne o Teatro Municipal Décio de Almeida Prado, além de escolas e postos de saúde. Sua luta é pela permanência dessas construções, e contra a verticalização. "E é ainda um local com árvores seculares", afirma ela.

O escritor Mauricio de Sousa, por sua vez, usa as historinhas para abordar o tema dos hábitos sustentáveis: "O Cascão fala do lixo reciclável, a Magali, da boa comida para a saúde e assim por diante. O espetáculo da Turma da Mônica que mais percorre o País é 'Um plano para salvar o planeta'". Mauricio diz que, em sua empresa, os hábitos não poderiam ser diferentes.

Todo dia na televisão acompanhando o almoço dos paulistas, o apresentador César Tralli, do SPTV, argumenta que todos os cidadãos são responsáveis pelo cuidado da cidade. "Sou daquela opinião que cada um pode e deve fazer a sua parte. Não custa nada. É assim que se constrói cidadania e civilidade". Por meio do quadro Verdejando, o SPTV leva reportagens educativas ao público. "O quadro estimula o cidadão a cuidar da árvore na porta de casa, da pracinha na esquina, do parque que frequenta, do lixo que emporcalha", salienta Tralli.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.