1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Para ter passe livre, 'é melhor eleger um mágico', diz Haddad

- Atualizado: 21 Janeiro 2016 | 15h 15

Petista afirma que nenhum prefeito conseguiria bancar a gratuidade e que há 'outras coisas à frente', como uma viagem à Disney

SÃO PAULO - O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), afirmou nesta quinta-feira, 21, que os defensores do passe livre deveriam eleger "um mágico" nas eleições municipais de outubro deste ano porque um prefeito não daria conta de bancar a gratuidade total de ônibus. Haddad disse ainda que há "outras coisas que poderiam vir à frente" do passe livre, como almoços grátis e uma viagem à Disney. 

"Eu não prometi passe livre para estudante na campanha. Os estudantes pediram passe livre. Foram para a rua. Demos o passe livre", afirmou. "Agora, querem passe livre para todo mundo. Então, é melhor eleger um mágico em outubro porque um prefeito não vai dar conta. Aí para terminal, para não sei quê. A imprensa (questiona): 'Você não vai dar passe livre para todo mundo?' Dá vontade de falar: mas como é que você tem coragem de me fazer uma pergunta dessas?". 

A declaração foi dada durante discurso em agenda pública em Santo Amaro, zona sul da capital. "Mas por que não um almoço grátis? Tem tanta coisa que podia vir à frente. Podia ter almoço grátis, jantar grátis. Ida para a Disney grátis", disse o prefeito.

Após relacionar passe livre com viagem à Disney, Haddad pediu que o debate sobre a tarifa zero seja feito com seriedade. 

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad

A tarifa de ônibus, metrô e trem subiu de R$ 3,50 para R$ 3,80 no dia 9 de janeiro. O Movimento Passe Livre (MPL) marcou para esta quinta-feira o quinto ato contra o aumento da tarifa, no Terminal Parque Dom Pedro II, às 17 horas.

Veja quais são as cidades que têm transporte com tarifa zero no Brasil
Marcos Arcoverde/Estadão
Transporte público gratuito

Maricá, no Rio de Janeiro, foi o primeiro município brasileiro com mais de 100 mil habitantes no Brasil a adotar a tarifa zero no transporte público. Veja a seguir os outros 11 municípios brasileiros que implementaram a medida

A gestão Haddad argumenta que o aumento dos custos é resultado das políticas de incentivos tarifários, como o passe livre estudantil, implementado em fevereiro de 2015, o bilhete único mensal e a gratuidade para desempregados. 

Nesta quinta, o prefeito disse ainda que o custo anual da gratuidade somente para estudantes é de R$ 700 milhões. "R$ 700 milhões e não resolveu o problema. Sabe quantos CEUs (Centros Educacionais Unificados) dá para construir com R$ 700 milhões ao ano? 20. Sabe quantos hospitais construo com R$ 700 milhões? Quatro. A situação é de seriedade", destacou. "Ao todo, os gastos com todas as gratuidades chegam a R$ 2 bilhões, disse.

MPL faz 4º ato contra aumento da tarifa
GABRIELA BILÓ / ESTADÃO
MPL faz 4º ato contra aumento da tarifa

Haddad voltou a afirmar que a implementação do passe livre total custaria à Prefeitura o mesmo valor arrecadado com o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU). Com a tarifa zero, a administração municipal teria de gastar R$ 8 bilhões por ano em subsídios. "Passe livre para todo mundo custa todo o IPTU da cidade. Eu precisaria pegar todo o IPTU da cidade, tirar da educação, tirar da saúde, tirar da cultura, tirar de tudo para dar isso aí."

PEC. O prefeito explicou que, para aderir à reivindicação por tarifa zero, seria necessária uma fonte de financiamento extra. Um dos caminhos, defendeu ele, é a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que propõe a municipalização dos tributos que incidem sobre a gasolina, como a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide).

"A proposta dos prefeitos do Brasil inteiro, não é a proposta de São Paulo, é que essa PEC seja aprovada porque nós teríamos aí uma fonte de financiamento para a tarifa de transporte público", disse. 

De acordo com Haddad, a PEC tem Comissão Especial, presidente e relator instalados desde 15 de dezembro. "Se vamos ampliar as categorias, precisaríamos ter uma fonte de financiamento. E a proposta é municipalizar o tributo sobre a gasolina. Porque aí teríamos, todos os prefeitos, condição de avançar nessa pauta."

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em São PauloX